Meteorologia

  • 19 SETEMBRO 2020
Tempo
22º
MIN 18º MÁX 23º

Edição

Amnistia Internacional pede investigação a execução de mulher indefesa

A organização Amnistia Internacional (AI) pediu hoje às autoridades de Moçambique uma "investigação independente e imparcial" à execução extrajudicial de uma mulher nua e indefesa em Mocímboa da Praia, após a divulgação de um vídeo nas redes sociais.

Amnistia Internacional pede investigação a execução de mulher indefesa

Em comunicado enviado à agência Lusa, a AI considerou o vídeo, filmado na província de Cabo Delgado, mais uma prova da violação dos direitos humanos que a organização denunciou na semana passada.

"Este vídeo horrendo é mais um exemplo das graves violações dos direitos humanos e execuções impiedosas que acontecem em Cabo Delgado pelas forças de segurança moçambicanas", disse o diretor da AI para a África Oriental e África Austral, Deprose Muchena.

O vídeo mostra uma mulher na Estrada R698 a ser abordada por elementos das Forças Armadas de Defesa de Moçambique. Depois de a agredirem com um pau, quatro homens alvejaram o seu corpo despido por 36 vezes com metralhadoras e outras armas automáticas.

Uma fonte militar local, que falou com os investigadores da AI, forneceu uma justificação "bizarra", dizendo que a mulher enfeitiçou o exército moçambicano e "recusou revelar o esconderijo dos insurgentes" da Al-Shabab.

No vídeo, de acordo com a descrição da AI, é percetível que todos os soldados falam português e referem-se à mulher como "Al-Shabab", um grupo armado 'jihadista' acusado de causar instabilidade na região desde outubro de 2017.

"As forças armadas não podem gozar de total liberdade para cometer crimes à luz das leis internacionais e violações de direitos humanos, incluindo matar civis em nome do combate aos grupos armados. As autoridades de Moçambique devem investigar estes recentes crimes chocantes e garantir que todos os suspeitos são levados à justiça em julgamentos justos perante tribunais civis comuns", disse a organização não-governamental.

O vídeo começou a circular nas redes sociais em 14 de setembro, mas foi partilhado entre telemóveis privados uma semana antes, no dia em que terá sido filmado, segundo a AI, o que coincide com a data de uma "mega operação" do Governo para expulsar os insurgentes de Awasse e Diaca, corroborando a presença de militares das Forças Armadas moçambicanas naquelas cidades nesse momento.

Em 09 de setembro a AI denunciou suspeitas de tortura e outras violações de direitos humanos cometidos pelas forças de segurança moçambicanas em Cabo Delgado, no norte do país.

Em causa estavam vídeos e fotos que, segundo a AI, "mostram tentativas de decapitação, tortura e outros maus-tratos de detidos, o desmembramento de alegados combatentes da oposição, possíveis execuções extrajudiciais e o transporte de um grande número de cadáveres até valas comuns". 

Cabo Delgado enfrenta desde há três anos ataques de grupos armados que já fizeram mais e mil mortos e 250.000 deslocados internos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório