Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2020
Tempo
19º
MIN 13º MÁX 19º

Edição

Marcadas para 18 de outubro presidenciais e legislativas na Bolívia

As eleições presidenciais e legislativas na Bolívia vão realizar-se em 18 de outubro, data que não pode ser adiada, anunciaram as autoridades eleitorais.

Marcadas para 18 de outubro presidenciais e legislativas na Bolívia
Notícias ao Minuto

05:21 - 14/08/20 por Lusa

Mundo Bolívia

"O Tribunal Supremo Eleitoral aprovou, por unanimidade, a resolução 205 que confirma e fixa o domingo 18 de outubro de 2020 como data definitiva, inamovível e sem adiamento possível para a jornada eleitoral", declarou o presidente do órgão, na quinta-feira.

Salvador Romero salientou que a data agora escolhida "afasta-se do pico da epidemia", previsto pelas autoridades sanitárias bolivianas para entre final de agosto e princípio de setembro, garantindo uma eleição "limpa, transparente, preparada com capacidade técnica e conduzida com imparcialidade política", defendeu.

De acordo com o tribunal, esta data "não é a ideal, nem a escolhida por nenhuma candidatura ou força política, social, regional", mas "permite conciliar a proteção da saúde pública" com a realização das eleições.

Inicialmente marcadas para 03 de maio, as eleições foram adiadas para 06 de setembro e depois para 18 de outubro, devido aos riscos associados à pandemia da covid-19.

Dois adiamentos dos escrutínios desencadearam tensões políticas, que persistem no país, e levaram os apoiantes do ex-Presidente boliviano, Evo Morales, a bloquear várias estradas.

Os protestos foram realizados pela Central Operária Boliviana e pelo Pacto de Unidade, que integra movimentos de camponeses e de indígenas próximos do Movimento para o Socialismo (MAS) de Morales.

Na quinta-feira assinalou-se a 12.ª jornada consecutiva de bloqueios de estradas e caminhos para exigir a rápida realização das eleições e também a demissão da Presidente interina do país, Jeanine Áñez.

As eleições para escolher um novo Presidente, vice-Presidente, deputados e senadores estão pendentes desde a anulação do escrutínio de outubro do ano passado, em que Morales foi declarado vencedor, entre denúncias de fraudes, ainda sob investigação judicial.

O então Presidente da Bolívia anunciou a renúncia ao cargo, decisão que denunciou ser forçada por um golpe de Estado, organizado para o privar da quarta vitória eleitoral consecutiva e para o afastar do poder, depois de quase 14 anos na chefia do país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório