Meteorologia

  • 04 AGOSTO 2020
Tempo
18º
MIN 18º MÁX 31º

Edição

Moçambique. "Ataques armados são uma antítese da visão de Dhlakama"

O enviado pessoal do secretário-geral das Nações Unidas a Moçambique classificou os ataques armados atribuídos a dissidentes da Renamo no centro do país como uma "antítese da visão de Afonso Dhlakama", antigo líder daquele partido que morreu em 2018.

Moçambique. "Ataques armados são uma antítese da visão de Dhlakama"

"Os ataques no centro do país são a antítese da visão de paz que Dhlakama lutou para preservar ao longo dos seus últimos anos", escreve Mirko Manzoni numa nota emitida para assinalar o primeiro aniversário do Acordo de Cessação Definitiva das Hostilidades Militares, assinado em 06 de agosto do último ano.

Em causa estão os ataques no centro do país atribuídos a um grupo dissidente da Renamo liderado por Mariano Nhongo, antigo dirigente de guerrilha, que exige melhores condições de reintegração e a demissão do atual presidente do partido, Ossufo Momade, acusando-o de ter desviado o processo negocial dos ideais do seu antecessor, Afonso Dhlakama, líder histórico que morreu em maio de 2018.

Os ataques armados no centro de Moçambique têm afetado as províncias de Manica e Sofala e já provocaram a morte de, pelo menos, 24 pessoas desde agosto do ano passado, em estradas e povoações das duas províncias.

Oficialmente, a Renamo demarca-se das ações do grupo de Mariano Nhongo, classificando-o como um desertor e reiterando o compromisso do principal partido de oposição com o acordo de paz assinado em agosto.

Segundo Mirko Manzoni, que é o presidente do grupo de contacto para as negociações, os guerrilheiros que serão abrangidos pelo processo de desarmamento, desmobilização e reintegração (DDR) concordam que não se pode permitir que "distúrbios externos comprometam o processo", lembrando que foi Dhlakama quem deu os primeiros passos para paz, com a declaração, em 2016, de um cessar fogo que abriu espaço para que "as partes desenvolvessem laços de confiança.

"O respeito pela cessação das hostilidades é essencial agora que se avança no processo de DDR dos ex-combatentes da Renamo", frisou Mirko Manzoni.

Em junho, o enviado pessoal de António Guterres a Moçambique disse que já tentou conversar com Mariano Nhongo, mas não teve sucesso.

"Mariano Nhongo é inflexível e todas as aproximações com vista a um entendimento fracassaram", disse, na altura, Mirko Manzoni, em entrevista ao canal televisivo STV.

Apesar das incursões atribuídas ao grupo de Nhongo, o processo do desarmamento do braço armado do principal partido de oposição previsto no acordo de 06 de agosto continua, sendo já abrangido mais de 500 guerrilheiros, 10% do previsto.

"Existiram alguns desafios pelo caminho, mas estou firmemente convencido de que agora já não há espaço para recuos no caminho rumo a uma paz definitiva", refere na nota Mirko Manzoni.

O processo vai envolver cerca de 5.000 membros do braço armado do maior partido da oposição no país.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório