Meteorologia

  • 05 MARçO 2021
Tempo
17º
MIN 11º MÁX 17º

Edição

Programa de espionagem israelita usado contra jornalista em Marrocos

A organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional (AI) afirmou hoje que o controverso programa de espionagem da empresa israelita NSO foi utilizado pelas autoridades de Marrocos para espiar um jornalista em janeiro.

Programa de espionagem israelita usado contra jornalista em Marrocos

O grupo NSO, empresa israelita especializada na espionagem informática, produz nomeadamente o Pegasus, um programa que permite não só aceder aos dados de um 'smartphone', como também controlar a câmara ou o microfone.

Segundo a AI, as autoridades marroquinas utilizaram o Pegasus para espiar o telefone de Omar Radi, um jornalista marroquino.

A NSO declarou-se "profundamente perturbada pelas alegações".

"É claro que não podemos confiar no grupo NSO. Enquanto a empresa tenta branquear a sua imagem com uma campanha de relações públicas, os seus programas permitem espiar ilegalmente o jornalista Omar Radi", declarou Danna Ingleton, diretora adjunta da Amnistia Tech, num comunicado da organização.

Numa resposta escrita às perguntas da agência France-Presse, a empresa israelita declarou que não podia comentar "as ligações que a NSO poderá ter com as autoridades marroquinas" por razões de confidencialidade, mas que analisava as questões levantadas pela Amnistia.

"Será aberto um inquérito se o considerarmos justificado", afirmou a companhia.

"A NSO é a primeira empresa deste tipo a fornecer um programa para a aplicação dos princípios orientadores das Nações Unidas sobre empresas e direitos humanos", adiantou.

Radi foi "sistematicamente alvo das autoridades marroquinas devido ao seu jornalismo e militância", segundo a AI.

Em março, um tribunal marroquino condenou Radi a quatro meses de pena suspensa por ter criticado na rede social Twitter a sentença de um juiz condenando ativistas. O jornalista disse à AFP após o veredicto que iria recorrer.

"Embora as autoridades marroquinas sejam responsáveis pela espionagem ilegal de militantes e de jornalistas como Omar Radi, o grupo NSO contribuiu para estes abusos ao ter o governo marroquino como cliente pelo menos até janeiro de 2020", indicou a Amnistia.

A AI pediu a um tribunal israelita para revogar a licença de exportação do Ministério da Defesa da empresa NSO após os casos de pirataria informática.

O processo está em curso e a organização de defesa dos direitos humanos disse hoje que espera uma decisão em breve.

No final de 2019, a empresa norte-americano de mensagens encriptadas WhatsApp, propriedade do Facebook, apresentou queixa contra a NSO, acusando-a de ter fornecido a tecnologia para infetar os 'smartphones' de uma centena de jornalistas, defensores dos direitos humanos e outros membros da sociedade civil em diferentes países.

Criada em 2010 pelos israelitas Shalev Hulio e Omri Lavie e localizada em Herzliya, perto de Telavive, a empresa NSO afirmou em maio que a sua tecnologia é "comercializada através de licenças a governos com o único objetivo de combater a criminalidade e o terrorismo".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório