Meteorologia

  • 07 MARçO 2021
Tempo
15º
MIN 11º MÁX 18º

Edição

Perto de 100 detidos em manifestações contra primeiro-ministro da Arménia

Perto de 100 pessoas foram detidas hoje pela polícia arménia durante os primeiros protestos antigovernamentais desde que o primeiro-ministro, Nikol Pashinyan, assumiu o poder, depois da revolução de maio de 2018.

Perto de 100 detidos em manifestações contra primeiro-ministro da Arménia
Notícias ao Minuto

17:00 - 14/06/20 por Lusa

Mundo Arménia

O protesto na capital, Erevan, aconteceu depois de agentes dos serviços de segurança terem realizado buscas, esta manhã, na residência do líder da oposição, Gagik Tsarukyan, que está agora a ser interrogado, assim como das outras principais figuras do partido Arménia Próspera.

Tsarukyan, ex-aliado de Pashinyan, acusa agora o Governo de perseguição política por ter criticado a administração durante a pandemia de covid-19 e por ter exigido a demissão do mesmo.

As forças de segurança negam e aludem ao caso penal movido contra Tsarukyan acerca de um negócio de jogo ilegal e lavagem de dinheiro, que havia custado ao fisco da Arménia cerca de 53 milhões de euros.

Além disso, a formação da oposição, a segunda força com maior representação no Parlamento, é também acusada de comprar votos durante as eleições parlamentares, em 2017.

Outro grupo de manifestantes protestou hoje diante das delegações diplomáticas dos Estados Unidos e da União Europeia, apelando para que denunciem a violação de direitos humanos e da liberdade de expressão e as pressões sobre a oposição.

Nessa manifestação, a polícia também deteve várias pessoas por participarem num protesto público, algo que é estritamente proibido durante a quarentena.

Pashinyan retomou esta semana as suas atividades depois de ter contraído covid-19, que na Arménia já infetou 16.667 pessoas e causou 269 mortes, num país com cerca de três milhões de habitantes.

Recentemente, o primeiro-ministro demitiu os chefes do Exército, forças de segurança e da polícia por violarem as medidas de segurança durante a quarentena.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 430 mil mortos e infetou mais de 7,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório