Meteorologia

  • 26 OUTUBRO 2020
Tempo
16º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

Redes criminosas estão a aproveitar perturbação criada pela pandemia

Redes criminosas em algumas regiões estão a aproveitar a perturbação criada pela pandemia de covid-19 e a aumentar as suas atividades, alertou hoje a Iniciativa Global contra o Crime Transnacional Organizado, apontando, entre outros exemplos, o da Guiné-Bissau.

Redes criminosas estão a aproveitar perturbação criada pela pandemia
Notícias ao Minuto

15:24 - 26/03/20 por Lusa

Mundo Covid-19

A Iniciativa Global contra o Crime Transnacional Organizado (GI-TOC, na sigla em inglês), com sede em Genebra, lançou hoje o projeto #CovidOCWatch, que pretende monitorizar o impacto da crise global de saúde nas economias ilegais, bem como explorar a sua relação com o crime organizado.

A organização não-governamental (ONG), que junta uma rede de 500 especialistas em direitos humanos, democracia, governação e desenvolvimento, afirma ter já recebido informações de várias regiões que "indicam que as redes criminosas já estão a capitalizar a perturbação", criada pelas medidas adotadas para responder ao novo coronavírus e pela concentração dos esforços da polícia na aplicação dessas medidas.

Guiné-Bissau, Albânia, Colômbia, África do Sul, Quénia, China, Laos e Suíça são exemplos de países de onde surgem sinais preocupantes de como o crime organizado está a tirar proveito dos efeitos da luta global contra a doença.

Produção e tráfico de droga, tráfico de imigrantes e subversão das regras da quarentena e do estado de emergência, esquemas fraudulentos de recolha de dinheiro alegadamente contaminado com o novo coronavírus, saqueamento de habitações a pretexto de as desinfetar ou tráfico de espécies protegidas são algumas das denuncias que surgiram destes países.

Na Guiné-Bissau, considera a GI-TOC, "redes criminosas e elementos corruptos da polícia estão a capitalizar o tumulto gerado pela pandemia".

"O facto de um avião ter sido avistado a aterrar a 18 de março - depois de o aeroporto ter fechado para evitar a aterragem de passageiros infetados - levantou fortes suspeitas de que o encerramento está a ser usado como um disfarce para a aterragem de aviões que transportam cocaína", adiantou a organização, que cita informações do seu observatório na África Ocidental e de pessoal baseado em Bissau.

A nível mundial, a organização assinala que o setor da saúde se tornou num alvo prioritário dos grupos criminosos, com o aumento exponencial das vendas de produtos médicos falsificados, bem como com um registo crescente de ações de contrabando e roubo de medicamentos.

Os esquemas fraudulentos 'online', a desinformação e outros cibercrimes estão a tornar-se "uma indústria florescente" potenciada, segundo a organização, pela quantidade de tempo que as pessoas em confinamento passam na Internet.

"Está a surgir uma série de esquemas de 'phishing' relacionados com o coronavírus, nos quais criminosos personificam fontes de informação confiáveis, como a Organização Mundial de Saúde, para espalhar 'malware' ou recolher informações pessoais", apontou.

A Interpol emitiu um alerta contra fraudes nas quais as pessoas são enganadas para comprar equipamentos médicos inexistentes, fazendo pagamentos em contas controladas por criminosos, estimando-se que tenham já sido extorquidos milhões de dólares.

Por outro lado, a ONG admitiu que as restrições de viagens e movimentações em espaços públicos e a drástica redução na atividade económica e no comércio internacional possam travar alguma atividade criminosa, como a violência nas ruas, mas estimou que este será um "impacto de curto prazo" e que rapidamente as redes criminosas se adaptarão à nova realidade.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório