Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2020
Tempo
11º
MIN 6º MÁX 15º

Edição

Alemanha recebe com reservas apelo de Macron a fortalecimento da defesa

O Presidente alemão recebeu hoje com reservas o pedido do seu homólogo francês, Emmanuel Macron, para fortalecer a defesa europeia, lembrando também é preciso "investir" no vínculo com os Estados Unidos.

Alemanha recebe com reservas apelo de Macron a fortalecimento da defesa
Notícias ao Minuto

14:35 - 14/02/20 por Lusa

Mundo Defesa

"A União Europeia (UE) sozinha não pode, mesmo a longo prazo e apesar de todo progresso, garantir a segurança de todos os seus membros", disse Frank-Walter Steinmeier na abertura da Conferência de Segurança de Munique.

"Para deixar bem claro, se queremos manter a coesão da Europa, inclusive em questões de segurança, não basta fortalecer a União Europeia no campo militar, devemos também continuar a investir no vínculo transatlântico", acrescentou o chefe de Estado alemão, que não tem poder executivo, mas cuja voz tem peso na Alemanha.

"A segurança da Europa baseia-se numa forte aliança com os Estados Unidos", afirmou o chefe de Estado alemão.

"Apostar tudo na UE levaria à divisão da Europa", alertou.

As declarações do Presidente francês no final de 2019, durante uma entrevista, sobre a morte cerebral da NATO tiveram um impacto negativo na Alemanha, um país profundamente atlântico desde o final da Segunda Guerra Mundial e que ainda depende principalmente da capacidade militar e nuclear norte-americano para a sua defesa.

Num recente discurso em Paris, na Escola Militar, Macron tentou tranquilizar os seus aliados, enfatizando a importância do vínculo com os Estados Unidos em questões de defesa.

"Entretanto, a nossa segurança também depende inevitavelmente de uma maior capacidade de ação autónoma dos europeus", disse Macron, pedindo aos europeus que não "se limitem a um papel de espetadores".

Macron propôs aos parceiros europeus "um diálogo estratégico" sobre "o papel da dissuasão nuclear francesa" na segurança coletiva da Europa. Uma abertura destinada principalmente à Alemanha.

"Deveríamos aceitar esse convite ao diálogo", disse Frank-Walter Steinmeier, pedindo à Alemanha que "faça a sua contribuição".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório