Meteorologia

  • 29 MAIO 2020
Tempo
23º
MIN 22º MÁX 32º

Edição

Índice de Democracia apresenta Guiné como país com melhorias notáveis

A Guiné-Bissau é apresentada como um dos países que registou "melhorias notáveis" no seu nível democrático em 2019, ainda que o seu regime continue classificado de "autoritário", de acordo com o Índice de Democracia 2019.

Índice de Democracia apresenta Guiné como país com melhorias notáveis

Elaborado anualmente pela Economist Intelligence Unit, ligada à revista britânica The Economist, este índice mede o nível democrático de regimes políticos em 167 países.

Neste ranking, a Guiné-Bissau aparece entre os países que registaram melhorias nos seus processos eleitorais, recordando que em 2019 se realizaram neste país "eleições livres e justas" (legislativas e presidenciais).

Em 2019, o país subiu da 157.ª posição em 2018 para a 148.ª, dos 167 países avaliados. Dos 10 pontos possíveis, a Guiné-Bissau conseguiu 2.63, contra 1.98 em 2018.

Cabo Verde é o país lusófono mais bem classificado neste índice, que não inclui São Tomé e Príncipe, ocupando a 30.ª posição, menos três lugares que no ano anterior. Na pontuação, registou um decréscimo, descendo de 7.88 em 2018 para 7.78 em 2019.

Segue-se Timor-Leste, com a 41.ª posição, que mantém os pontos: 7.19.

Já o Brasil ocupa agora a 52.ª classificação, subindo a sua pontuação de 6.97 em 2018 para 6.86 no ano passado.

Angola também subiu neste ranking, passando dos 3.62 pontos para os 3.72, e alcançando a 119.ª posição. Logo a seguir, Moçambique ocupa a 120.ª posição, embora descendo na pontuação: 3.85 para 3.65.

A Guiné Equatorial, na 161.ª posição, manteve os 1.92 pontos da avaliação anterior.

A região da África Subsaariana viu a sua classificação descer de 4.36 em 2018 para 4.26 em 2019.

No relatório, lê-se que a região conta com um elevado número de regimes autoritários, cerca de metade dos 44 países avaliados neste índice.

Em 2019, prossegue a avaliação, a região registou uma significativa regressão democrática, com 23 países a assistirem a uma descida das suas posições.

Nesta região, as avaliações foram as piores desde 2010, após a crise económica e financeira global, quando todas as democracias do mundo registaram uma regressão democrática neste índice.

Intitulado "Um ano de contratempos democráticos e protestos populares", o relatório mantém a Noruega a liderar o ranking, país que continua a reunir 9.87 dos 10 pontos possíveis.

A Coreia do Norte ocupa o último lugar, com 1.08 pontos.

O índice é baseado em cinco categorias: processo eleitoral e pluralismo, liberdades civis, o funcionamento do Governo, a participação política e a cultura política.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório