Meteorologia

  • 31 OUTUBRO 2020
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 23º

Edição

Giovani lembrado em Paris, Cabo Verde, Luxemburgo. "Queremos justiça"

A comunidade cabo-verdiana manifestou-se este sábado junto à embaixada portuguesa em Paris pedindo justiça no caso de Luís Giovani, jovem morto em Bragança a 31 de dezembro, encenando a sua morte de forma simbólica.

Giovani lembrado em Paris, Cabo Verde, Luxemburgo. "Queremos justiça"
Notícias ao Minuto

18:47 - 11/01/20 por Lusa

Mundo Paris

"Estamos aqui para dizer que o povo cabo-verdiano em Portugal, em Cabo Verde e no mundo inteiro está ciente dos seus direitos e deveres e que achamos que a forma como foi tratado o caso não foi natural e normal. Estamos indignados. O mínimo que se espera é que se faça justiça", afirmou Isabel Borges Voltine, uma das organizadoras da manifestação, em declarações à Agência Lusa.

Este protesto juntou mais de uma centena de pessoas, na sua maioria da comunidade cabo-verdiana em Paris, e incluiu uma encenação simbólica da morte de Luís Giovani através de expressão dramática, assim como palavras de ordem.

"Como mãe, quando soube o que se passou, deu-me a volta ao estômago. Não podia ficar silenciosa. Muitas vezes ficamos calados, compartilhamos nas redes sociais, mas não agimos. Portanto, eu decidi agir e pedir para que as pessoas comparecessem para lutar contra esta injustiça", disse Edna Rosa Semedo, outra das organizadoras do protesto.

A ideia inicial destas ativistas era a de fazer o percurso entre a Embaixada de Portugal e a Embaixada de Cabo Verde na capital francesa, mas devido ao conflito entre esta manifestação e as já habituais manifestações de sábado devido ao projeto de reforma das pensões, a Prefeitura de Paris não aceitou esse plano, limitando-se assim o protesto à frente da embaixada portuguesa.

Os manifestantes referiram mais o tema da injustiça e o atraso na investigação a este caso, mas a questão do racismo e da negrofobia esteve presente nesta manifestação.

"Não é o primeiro a morrer desta forma e isto continua. Não queremos uma justiça com dois pesos e duas medidas. [...] É preciso que as pessoas se mobilizem para que este tipo de atos negrofóbicos não aconteçam mais. Não falamos em racismo, mas a verdade é que são jovens negros que acabam sempre mortos", indicou Edna Rosa Semedo.

O sentimento era partilhado em quem respondeu ao apelo das ativistas. "Não posso dizer [que foi um crime de racismo], não sei o que as pessoas sentiram quando fizeram aquilo. Mas, normalmente, se fosse um branco na discoteca, acho que não fariam isso. [...] E quando vivi em Portugal senti isso. Tive um primo e conhecidos que foram mortos pela polícia e nunca tiveram justiça", disse Lenia Correia, natural de Cabo Verde, nascida em Portugal e que há cinco anos está em França.

Lenia trouxe à manifestação os seus dois filhos pequenos para que eles "cresçam com força" e afirma não querer despertar qualquer ódio contra os portugueses ou franceses. "Queremos paz e justiça, porque nada vai trazer a vida do Giovani de volta", afirmou.

Esta vontade de paz foi uma constante durante todo o protesto, com a maior parte dos manifestantes a envergarem camisolas brancas com a cara de Luís Giovani e balões brancos entre as bandeiras de Cabo Verde.

Também na capital britânica se realizou uma concentração em homenagem ao jovem cabo-verdiano morto em Bragança.

Várias dezenas de pessoas juntaram-se durante a tarde junto do consulado de Portugal em Londres, segurando rosas e balões brancos e bandeiras de Cabo Verde.

Alguns participantes levaram cartazes, onde se podia ler 'Eu sou Giovani' ou 'Queremos justiça'.

O protesto, que durou pelo menos duas horas, apesar do frio, incluiu ainda discursos espontâneos e intervenções emocionadas em solidariedade com a família e amigos do jovem cabo-verdiano.

Marco Lopes, um dos organizadores, disse à agência Lusa que a mobilização foi feita sobretudo através das redes sociais, e que levou pessoas a viajar centenas de quilómetros, de localidades como Birmingham, Manchester, Peterborough ou Ipswich.

Vigílias de homenagem ao estudante cabo-verdiano Luís Giovani, morto a 31 de dezembro em Bragança, realizaram-se esta tarde em várias cidades portuguesas, mas também na Praia (em Cabo Verde) Londres, Paris e Luxemburgo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório