Meteorologia

  • 25 JUNHO 2019
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 18º

Edição

ONU convoca reunião urgente sobre ataque a petroleiros no Médio Oriente

Reunião irá realizar-se ainda hoje.

ONU convoca reunião urgente sobre ataque a petroleiros no Médio Oriente

O Conselho de Segurança do ONU convocou uma reunião de emergência para hoje, sobre o ataque a dois petroleiros no golfo de Omã, Médio Oriente, segundo fontes diplomáticas da organização, citadas pela agência France-Presse.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, já condenou os ataques contra dois petroleiros ao largo do Irão, durante a sua intervenção numa reunião do Conselho de Segurança sobre cooperação entre as Nações Unidas e a Liga Árabe.

"Condeno qualquer ataque contra navios civis", disse Guterres, pedindo "o apuramento dos factos" e "das responsabilidades".

O secretário-geral da ONU disse que acompanha com "profunda preocupação" o incidente e sublinhou que "o mundo não pode permitir-se a um confronto de grande escala no Golfo Pérsico".

Intervindo a seguir a António Guterres, o secretário-geral da Liga Árabe, Ahmed Aboul Gheit, denunciou o incidente como parte de "uma evolução perigosa" no Médio Oriente.

"Ataques a petroleiros e ataques com mísseis no coração da Arábia Saudita, como vimos há dois dias, são uma evolução perigosa que deve levar o Conselho de Segurança a agir contra os responsáveis para manter a segurança e a estabilidade na região", afirmou.

O secretário-geral da Liga Árabe disse ainda que "alguns na região tentam deitar achas para a fogueira" e que "é preciso ter consciência disso".

Dois petroleiros, um norueguês e um japonês, foram hoje alvo de ataques de origem indeterminada no Mar de Omã, num contexto regional de acesa crise devido à crise entre os Estados Unidos e o Irão.

Um navio de resgate iraniano resgatou as 44 pessoas que compunham a tripulação dos navios.

O incidente ocorre cerca de um mês depois de quatro navios, três deles petroleiros, terem sido atacados ao largo dos Emirados Árabes Unidos, ataques que os Estados Unidos atribuíram ao Irão, que negou qualquer envolvimento.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório