Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2019
Tempo
15º
MIN 11º MÁX 19º

Edição

Mãe lésbica apaixona-se por dador de esperma que foi 'pai' das filhas

De dador número 2008 passou a companheiro, 12 anos após terem tido filhas juntos. Confuso? Passamos a explicar.

Mãe lésbica apaixona-se por dador de esperma que foi 'pai' das filhas

De Oregon, nos Estados Unidos, chega uma história de volte-faces amorosos, com um toque de genética a apimentar o mistério.

Em 2005, Jessica Share e a esposa decidiram avançar para um processo de inseminação. O esperma chegou através de um dador registado no Oregon apenas com o n.º 2008.

Jessica e a companheira ponderavam ter mais filhos, mas em 2010 a sua relação chegou ao fim, numa altura em que tinham tido já uma segunda menina. O método escolhido para engravidar foi o mesmo, tal como o dador 'escolhido'.

Na altura, as duas mulheres acordaram nos traços que queriam que o dador tivesse. Mas, em , em 2010, Jessica viu-se como mãe solteira.

Durante anos cuidou das duas crianças, até que a ex-companheira e mãe das mesmas crianças terá interrompido a custódia partilhada. Jessica cuida atualmente da filha mais velha, mas não tem conseguido manter contacto com a filha mais nova. Mas esta é só uma parte da história.

Encontro genético

Aaron Long,  de 52 anos, é o 'pai' dador desta história, que conta que foi em 1994 que decidiu tornar-se dador. Viu num anúncio de jornal que procuravam homens saudáveis entre 18 e 35 anos, ele estava na altura numa relação à distância e achou que, como pagavam 40 dólares por cada doação, poderia aproveitar para ganhar alguns dinheiro. Assim fez, duas vezes por semana, durante um ano - e estima-se que hoje em dia haja 67 pessoas no mundo que nasceram à conta do seu esperma.

Quando fez 11 anos, a filha mais velha de Jessica tinha várias perguntas sobre quem seria o pai. E pediu inclusive um kit de genética da 23andme à família como prenda.

A mãe sabia apenas o número de dador, mas tinha consciência de alguns traços deste. Lançou-se nas redes sociais à procura de quem seria o pai. Curiosamente, do 'outro lado' havia igualmente um homem à procura de saber mais sobre o destino que haviam dado ao seu esperma.

A dada altura, Aaron entrou em contacto, ele que se tinha lançado na sua própria aventura, de tentar descobrir se o seu esperma lhe tinha 'dado' filhos que não conhecia. 

Jessica recebeu um texto de cerca de 50 páginas, com a história de vida de Aaron, escrita pelo próprio. E começaram a trocar mensagens. Em julho de 2017, Aaron deu uma festa com um convite genético claro: todos os seus filhos biológicos estavam convidados. 'Meet My Kids Party', chamou à festa, que decorreu em Seattle.

Foi nessa altura que Jessica e Aaron se conheceram finalmente. E foi também aí que Jessica viu como a sua filha e Aaron partilhavam uma série de traços e maneirismos. Em conversa, posteriormente, Jessica confessou a Aaron que ela e a filha corriam o risco de serem despejadas de casa, por atraso na renda. Aaron, que era dono de um bloco de apartamentos, convidou-as a mudarem-se. E elas aceitaram.

Com o tempo, Jessica e Aaron envolveram-se mesmo romanticamente e assumiram uma nova relação. Mas Jessica faz questão de salientar que Aaron não se tornou pai do dia para a noite, independentemente do fator biológico. Isto não é "como nos filmes", diz a filha, Alice, que explica que nesta fase ainda vê Aaron mais como namorado da mãe do que propriamente como seu pai.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório