Meteorologia

  • 13 NOVEMBRO 2018
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 19º

Edição

Bolsonaro adotará 3 táticas para rebater alegada manipulação no WhatsApp

O candidato à Presidência do Brasil Jair Bolsonaro vai atacar em três frentes a denúncia sobre a sua participação num alegado esquema de divulgação irregular de conteúdo na rede social WhatsApp, disse a advogada da sua campanha Karina Kufa.

Bolsonaro adotará 3 táticas para rebater alegada manipulação no WhatsApp
Notícias ao Minuto

09:13 - 20/10/18 por Lusa

Mundo campanha no Brasil

"Vamos protocolar hoje um pedido de direito de resposta [ao jornal Folha de S. Paulo] tendo em vista que a reportagem é totalmente inverídica. Também será apresentada a defesa na Ação de Investigação Judicial Eleitoral [intentada pelo Partido dos Trabalhadores na quinta-feira], que tem falhas técnicas muito graves", disse Karina Kufa à agência Lusa.

Segundo a advogada, a candidatura de Bolsonaro vai também "processar o candidato Fernando Haddad pelo crime de calúnia eleitoral".

"Não houve nenhuma contratação pela campanha de Jair Bolsonaro para recursos de WhatsApp. Não há 'caixa 2' na campanha [uso ilegal de recursos não declarados à justiça eleitoral]. Eu sou responsável pela análise das contratações", acrescentou Karina Kufa.

Na última quinta-feira, o jornal brasileiro Folha de S. Paulo publicou uma reportagem na qual é afirmado que algumas empresas estariam a distribuir pacotes de mensagens contrárias ao PT sob o patrocínio de empresários apoiantes de Bolsonaro através do WhatsApp.

O jornal informou que descobriu um contrato de 12 milhões de reais (cerca de 2,8 milhões de euros) de uma empresa que distribuiu este tipo de mensagens a pedido de empresas que teriam agido como patrocinadores, incluindo a rede comercial brasileira Havan, cujo dono já foi multado pela Justiça por tentar obrigar os seus funcionários a votarem em Bolsonaro.

Depois de o caso se ter tornado público, Bolsonaro negou ter pedido o patrocínio de empresários para distribuir conteúdo eleitoral no WhatsApp.

A advogada Karina Kufa reforçou hoje que o candidato da extrema-direita não recebeu nenhum benefício de empresários que apoiam a sua campanha de forma ilícita, esclarecendo que por determinação do candidato e da sua assessoria jurídica, o Partido Social Liberal (PSL), partido do candidato, só aceitou doações de pessoas físicas no valor de até 50 mil reais (cerca de 11 mil euros).

Outras doações para a campanha foram feitas na Internet numa plataforma oficial de 'crowdfunding' (angariação de fundos para projetos).

Questionada sobre a hipótese de Bolsonaro ser responsabilizado pela justiça eleitoral brasileira caso se comprove o esquema de contratação de serviços para divulgação massiva de mensagens contra o Partido dos Trabalhadores (PT) no WhatsApp, a advogada considera não ver margem para punição.

"Para [Bolsonaro] ser caracterizado como beneficiário será preciso comprovar a sua anuência prévia. Não houve em nenhum momento a anuência do candidato. Se houve esta contratação [de serviços para divulgar informações no WhatsApp] por parte de empresários, garanto que não houve jamais a anuência do candidato", garantiu.

O candidato do PSL lidera as intenções de voto das eleições presidenciais brasileiras, com 59%, contra os 41% do seu adversário Fernando Haddad.

Ambos disputam a segunda volta das presidenciais brasileiras, que se realizam no próximo dia 28.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório