Meteorologia

  • 20 ABRIL 2024
Tempo
21º
MIN 15º MÁX 22º

Cientistas pedem atenção aos profissionais de saúde no período perinatal

"Uma grande parte de profissionais de saúde na área perinatal não identificou corretamente sintomas obsessivo-compulsivos no período pós-parto" e que isto constitui "um risco de que essa situação seja interpretada como pensamentos psicóticos ou sintomas depressivos", refere a investigadora Inês Ferra.

Cientistas pedem atenção aos profissionais de saúde no período perinatal
Notícias ao Minuto

09:10 - 05/03/24 por Lusa

Lifestyle Gravidez

Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) concluiu que os profissionais de saúde podem gerar riscos para bebés e pais, ao confundir sintomas de perturbação obsessivo-compulsiva no período pós-parto com pensamentos psicóticos, foi hoje divulgado.

"A perturbação obsessivo-compulsiva (POC) no período pós-parto está associada a obsessões, pensamentos intrusivos, compulsões, mas sem risco para o bebé. Não há necessidade de retirar os pais da presença do bebé, enquanto que quando há um diagnóstico psicótico, que é um diagnóstico muito raro e muito mais grave, há uma necessidade de afastar os pais e o bebé por risco de dano ao bebé", descreveu a investigadora Inês Ferra.

Em declarações à agência Lusa, a especialista alertou que, no trabalho que levou a cabo, e que inclui a análise a 36 estudos de diferentes países, detetou que "uma grande parte de profissionais de saúde na área perinatal não identificou corretamente sintomas obsessivo-compulsivos no período pós-parto" e que isto constitui "um risco de que essa situação seja interpretada como pensamentos psicóticos ou sintomas depressivos".

Leia Também: Há um detalhe na fala que ajuda a prever risco de demência, diz estudo

"É muito preocupante, porque são doenças completamente diferentes (...). Um diagnóstico preciso é muito importante porque podemos estar a agravar a ansiedade dos pais que já têm vergonha dos sintomas que têm e ficam com medo de ser afastados dos filhos", referiu.

Como pensamentos intrusivos entendam-se por exemplo, o passar numa ponte, tendo o bebé ao colo, e pensar que há maior risco em deixar cair o bebé, ou pais que passam horas a lavar o biberão do bebé porque têm medo que o objeto contenha germes.

Outros sintomas são, por exemplo, um pai ou mãe que fica acordado para ouvir o bebé respirar. "Além da privação de sono, causa sofrimento e pode tornar o pai ou a mãe não funcionais. Mas isto é comum. A grande maioria dos pais apresenta comportamentos intrusivos no pós-parto, o que não equivale a diagnóstico psicótico", descreveu Inês Ferra.

Leia Também: Pare de comer isto pela manhã. Só aumenta o colesterol, diz nutricionista

A investigadora alertou que a POC no período pós-parto "aufere sofrimento" e "afeta a qualidade de vida dos pais", mas vincou: "Tem tratamento". "E é isso que é importante os pais saberem. Pode ser com terapia cognitiva comportamental ou farmacoterapia, mas não há risco para o bebé e isso é algo que tem de ser dito aos pais para ficarem tranquilizados", frisou.

Com a divulgação deste trabalho, que foi publicado, em janeiro, na última edição do The European Journal of Psychiatry, os investigadores da FMUP pretendem deixar um alerta a profissionais e saúde, nomeadamente, especificou à Lusa Inês Ferra, aos médicos e enfermeiros de família, pediatras e obstetras e ginecologistas.

Já num resumo do trabalho enviado à Lusa, a FMUP refere que entre 2,4% a 9% das mulheres e 1,7% dos homens desenvolvem POC no pós-parto. A prevalência estimada ao longo da vida, na população geral, é de 1,3%.

Leia Também: Cientistas descobrem suplemento que pode melhorar a memória em três meses

"Habitualmente, o início dos sintomas é rápido, ocorrendo nas primeiras oito semanas após o nascimento do bebé (...). Para que exista diagnóstico, exige-se que haja sofrimento significativo ou uma interferência considerável na relação entre pais e bebés e na vida familiar", lê-se no resumo.

Um dos motivos para a dificuldade do diagnóstico é a tendência dos pais para esconderem o que estão a pensar ou a sentir, muitas vezes por culpa ou vergonha. A criação e implementação de programas de prevenção dirigidos sobretudo às mulheres e homens que vão ser pais e que estão em maior risco, ou seja, os que têm historial de depressão, ansiedade e insónia é uma das recomendações deste trabalho, uma revisão sistemática, cujo último estudo internacional incluído dada de setembro de 2022.

Além de Inês Ferra, são autores do trabalho Miguel Bragança e Ricardo Moreira, da FMUP.

Leia Também: É isto que lhe pode acontecer se fizer xixi no duche, segundo um médico

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório