Meteorologia

  • 22 ABRIL 2024
Tempo
27º
MIN 15º MÁX 27º

Há um detalhe na fala que ajuda a prever risco de demência, diz estudo

Pode ser um indicador precoce e importante da saúde do cérebro de adultos.

Há um detalhe na fala que ajuda a prever risco de demência, diz estudo
Notícias ao Minuto

07:33 - 05/03/24 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Doenças neurodegenerativas

Um novo estudo veio demonstrar que a velocidade da fala ajuda a prever o risco de sofrer de demência. Num artigo científico publicado na revista Aging Neuropsychology and Cognition, um grupo de cientistas do Canadá divulgaram evidências de que o declínio no ritmo da fala pode ser um indicador mais importante da saúde do cérebro do que a dificuldade em encontrar palavras.

"Os nossos resultados indicam que mudanças na velocidade geral da fala podem refletir alterações no cérebro", afirma o neurocientista Jed Meltzer, coautor do estudo.

Leia Também: Naturopata alerta para sinais de falta de ferro que ignoramos sem saber

Os cientistas analisaram 125 adultos saudáveis com idades entre os 18 e os 90 anos. Os voluntários foram submetidos a três testes. Num deles, os participantes tinham de responder a perguntas sobre as imagens apresentadas, ignorando palavras que ouviam num auricular, que tinha como objetivo distraí-los. 

Num outro teste, os voluntários deveriam descrever duas imagens complexas em 120 segundos. O último teste avaliou a função executiva, que é a capacidade de administrar informações discortantes, manter o foco e evitar distrações. A perda desta competência está associada ao aumento do risco de demência.

Assim, a fala lenta foi associada a funções cerebrais mais debilitadas, um indicador da saúde do cérebro.

Leia Também: Pare de comer isto pela manhã. Só aumenta o colesterol, diz nutricionista

Recorde-se que demência é um termo genérico utilizado para designar um conjunto de doenças que se caracterizam por alterações cognitivas que podem estar associadas a perda de memória, alterações da linguagem e desorientação no tempo ou no espaço. Para a maioria não existe tratamento. Porém, está provado que cerca de 40% das demências, como o Alzheimer (a forma mais comum de demência), podem ser prevenidas ou atrasadas.

A Organização Mundial de Saúde estima que existam 47.5 milhões de pessoas com demência em todo o mundo, número que pode chegar os 75.6 milhões em 2030 e quase triplicar em 2050, para 135.5 milhões. 

Leia Também: Três alimentos a riscar da lista de supermercado. Fazem mal ao cérebro

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório