Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2021
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 23º

Edição

Solução para o BES "defende estabilidade do sistema e da economia"

O economista Eduardo Catroga defendeu hoje que a solução encontrada para o Banco Espírito Santo (BES) é a que "melhor defende a estabilidade do sistema financeiro e a continuação do financiamento à economia portuguesa".

Solução para o BES "defende estabilidade do sistema e da economia"

Em declarações à agência Lusa, o antigo ministro das Finanças afirmou que "a opção escolhida pelo Banco de Portugal (BdP), em articulação com as instituições europeias, é a que melhor defende os contribuintes, os depositantes, os clientes, além da estabilidade do sistema financeiro e continuação do financiamento do banco à economia portuguesa".

Para Catroga, a situação no BES só podia levar a três cenários possíveis, um dos quais seria a falência desordenada, o que teria "efeitos terríveis sobre a economia portuguesa" e que levaria a um segundo resgate.

O segundo, acrescentou, seria "aquele que o Governo de José Sócrates assumiu relativamente a um banco (BPN) que não tinha efeitos sistémicos no sistema bancário, [e que, por isso,] podia ter-se deixado falir".

Esse cenário consistiria em nacionalizar o BES, com uma entrada direta do Estado no capital do banco, em que os contribuintes arcavam com as perdas, tal como aconteceu com o BPN, disse.

O terceiro cenário, o escolhido, foi a entrada do Fundo de Resolução no banco, separando os ativos bons dos ativos maus, "optando pela solução 'bad bank', que foi a encontrada na Irlanda e em Espanha para resolver casos semelhantes", sublinhou.

O antigo ministro das Finanças afirmou que "não é uma solução sem riscos", mas "no quadro das medidas para a União Bancária Europeia está precisamente a criação de um fundo de resolução para estes casos.

"Se tudo correr bem, o Novo Banco será vendido e o Fundo de Resolução recuperará os fundos para pagar o empréstimo a que agora teve de recorrer", acrescentou.

"Num quadro em que a economia portuguesa dá sinais de recuperação, que já se vem sentindo há um ano, embora de uma forma ainda bastante frágil, e que havia uma retoma da confiança por parte dos mercados e investidores na economia portuguesa e no sistema bancário português, é evidente que este caso não ajuda nada no processo de consolidação da recuperação da confiança", disse.

A médio e longo prazo, se uma instituição, que estava a ser mal gerida, der lugar a uma empresa bem geria, "esta realocação de recursos e de capacidade de gestão é benéfica para a taxa potencial de crescimento económico", disse.

A curto prazo, o resultado seria negativo se "houvesse uma interrupção dos fluxos de financiamento normais do BES", acrescentou.

"Sendo de lamentar, temos que encarar esta situação como uma situação que ocorre historicamente, de quando em quando, em todos os países e agora vai haver uma transformação acionista e da gestão e esperamos que, além dos efeitos negativos de curto prazo, isto possa ter efeitos positivos a médio e longo prazo na economia portuguesa", concluiu.

O Banco de Portugal anunciou no domingo a injeção de 4,9 mil milhões de euros no BES para o capitalizar, através do Fundo de Resolução bancário, e o fim desta instituição, com a separação do banco fundado pela família Espírito Santo entre um 'bad bank' ('banco mau'), em que ficam os ativos tóxicos, e o Novo Banco, que reúne os ativos não tóxicos, como os depósitos e que receberá a injeção de 4,9 mil milhões de euros.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório