Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
32º
MIN 18º MÁX 37º

Mais de 350 participam em cordão humano em defesa da Função Pública

Mais de 350 pessoas manifestaram-se hoje em Lisboa num cordão humano em que pedem mais condições e melhores salários para a função pública ao próximo Governo, argumentando que representam 740 mil trabalhadores.

Mais de 350 participam em cordão humano em defesa da Função Pública
Notícias ao Minuto

14:16 - 16/01/24 por Lusa

Economia Frente Comum

"<span class="news_bold">Estamos aqui para mostrar ao Governo (...) e a quem agora se apresenta a eleições, que estamos em período de pré-campanha, aquilo que são as reivindicações dos trabalhadores da administração pública e o peso e a importância que eles têm na sociedade portuguesa", afirmou o coordenador da Frente Comum de sindicatos, Sebastião Santana, aos jornalistas.

O dirigente sindical apontou que a administração pública tem cerca de 740 mil trabalhadores, que poderão "ajudar a determinar quem vai governar o país".

Entre os problemas identificados estão uma "fuga de trabalhadores enorme", a desvalorização das carreiras na administração pública "que impede os jovens de se fixarem" ou o "degradar das funções sociais do Estado e de muitos serviços públicos, como o caso do Serviço Nacional de Saúde e da escola pública".

De acordo com Sebastião Santana, "é tempo e há agora uma oportunidade de inverter este rumo de degradação" de salários, carreiras e serviços públicos.

No imediato, o representante sindical considerou que é fundamental haver uma valorização salarial, porque apesar de um "aumento matemático daquilo que se ganha", os trabalhadores "continuaram a empobrecer".

De igual forma, sublinhou que o Orçamento do Estado para 2024 prevê 14.000 milhões de euros para aquisição de serviços e que deveriam ser utilizados para reforçar a administração pública.

"Representa a externalização de serviços, é dinheiro de todos os portugueses que é tirado para cima do setor privado, quando se a administração pública fosse servida de outra forma, estes 14 mil milhões de euros estariam ao serviço da população e não do engrandecimento de grupos económicos já por si grandes", afirmou.

Em antevisão à campanha eleitoral, a Frente Comum referiu que está disponível para "discutir com quem defenda a administração pública e visões para a administração pública", tendo lamentado que o Governo do Partido Socialista que agora cessa funções não tenha aproveitado as mesas negociais.

"Não são exatamente negociações, o Governo senta-se com uma proposta e muito dificilmente arranca dali para outro lado. Não fosse a luta dos trabalhadores, desenvolvida também muito pela Frente Comum, e isso não se tinha alterado durante este mandato", acrescentou.

A iniciativa de hoje, que ligou a Praça D. Pedro IV até ao Cais das Colunas, em Lisboa, contou com mais de 350 manifestantes, que avançaram sobre a Rua Áurea em fila, alinhados num cordão.

Leia Também: Agricultores algarvios consideram incomportáveis cortes de água previstos

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório