Meteorologia

  • 20 JULHO 2024
Tempo
21º
MIN 20º MÁX 28º

Comunidades temem que exploração de petróleo altere o delta do Okavango

A exploração de petróleo, as mudanças climáticas provocadas pelo ser humano e captação e desvio de água para a agricultura comercial alteraram a paisagem do delta do Okavango, em África, publicou hoje a agência de notícias Associated Press (AP).

Comunidades temem que exploração de petróleo altere o delta do Okavango
Notícias ao Minuto

13:19 - 08/04/23 por Lusa

Economia Botsuana

De acordo com a AP, da água do delta do Okavango dependem as pessoas e as espécies selvagens que habitam na região. A terra rica em água e vida selvagem é alimentada por rios nas terras altas de Angola, onde o rio tem o nome de Cubango, que correm para o norte do Botsuana antes de serem drenadas para as areias do deserto de Kalahari, na Namíbia.

O pescador Kgetho, da comunidade Wayei de Botsuana, declarou à AP que as coisas mudaram nos últimos anos, no delta do Okavango e em todo o país.

"O tamanho dos peixes encolheu e a quantidade está a diminuir", disse Kgetho, cuja vida e sustento dependem da saúde do ecossistema.

"Os rios que desaguam no delta têm menos volumes de água", acrescentou o pescador.

Os defensores do delta agora esperam bloquear pelo menos uma dessas ameaças -- a exploração de petróleo.

Uma audiência planeada pelo Ministério do Meio Ambiente da Namíbia considerará a revogação da licença de perfuração da empresa canadiana de petróleo e gás Reconnaissance Energy, que atua na Namíbia e no Botsuana.

As comunidades locais e grupos ambientalistas alegaram que a terra arrasada com 'bulldozers', esventradas, poluindo fontes de água, sem a permissão das comunidades locais.

Kgetho teme que os rios da sua região estejam secando devido ao "uso excessivo das indústrias extrativas, incluindo atividades de exploração de petróleo rio acima".

Numa declaração por escrito, ReconAfrica, o braço africano da empresa petrolífera, disse que protege os recursos hídricos por meio de "monitoramento regular e relatórios sobre dados hidrológicos às autoridades locais, regionais e nacionais apropriadas de água" e está "aplicando rigorosos padrões de segurança e proteção ambiental".

A declaração referiu que realizou mais de 700 consultas comunitárias na Namíbia e continuará a envolver-se com as comunidades no Botsuana.

A empresa perfura na região desde 2021, mas ainda não encontrou um poço produtivo. A audiência estava originalmente marcada para segunda-feira, mas foi adiada.

A licença de perfuração está atualmente definida para durar até 2025, com a ReconAfrica tendo recebido anteriormente uma extensão de três anos.

Os moradores persistiram com as vias legais, mas tiveram pouca sorte. Num caso separado, o tribunal superior da Namíbia adiou uma decisão sobre se as comunidades locais deveriam pagar para abrir um processo contra as ações da empresa.

O tribunal rejeitou anteriormente o apelo urgente feito pela população local para interromper as atividades de perfuração da empresa canadiana.

Agora está a decidir se os argumentos legais do governo devem se sobrepor às queixas das comunidades. Uma nova data para a decisão está marcada para maio.

O ministro da Energia da Namíbia, Tom Alweendo, argumentou sobre o direito do país de explorar petróleo, dizendo que os países europeus e os Estados Unidos também o fazem.

Alweendo apoia o objetivo da União Africana (UA) de usar energia renovável e não renovável para atender à crescente demanda.

Existem temores de deterioração no Botsuana e em toda a região. Grande parte do ecossistema diversificado do país está sob ameaça de vários planos de desenvolvimento.

O Parque Nacional de Chobe, no Botsuana, por exemplo, viu um declínio na qualidade do rio em parte devido à sua crescente indústria do turismo, segundo um estudo.

Na bacia de Cuvette-Centrale, no Congo, uma floresta densa e ecologicamente próspera que abriga a maior população de gorilas de planície, secções das turfeiras - as maiores do continente - foram leiloadas para petróleo e gás no ano passado.

O Governo congolês disse que o processo de leilão "está de acordo" com os planos de desenvolvimento e programas do governo e seguirá rigorosos padrões internacionais.

Os ambientalistas não estão convencidos com os argumentos governamentais.

Wes Sechrest, cientista-chefe da organização ambiental Rewild, disse que proteger áreas "que têm populações de vida selvagem robustas e saudáveis" como o delta do Okavango, "são uma grande parte da solução para as crises interconectadas do clima e biodiversidade que estamos a enfrentar".

Leia Também: Cotação do barril Brent para entrega em junho sobe para 85,14 dólares

Recomendados para si

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório