Meteorologia

  • 04 DEZEMBRO 2022
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 14º
Estatísticas Compradores internacionais "dinamiza...

Compradores internacionais "dinamizam" mercado imobiliário em Lisboa

A baixa taxa de criminalidade, o elevado nível de segurança, a qualidade do sistema de educação e os incentivos governamentais são fatores que fazem da capital portuguesa um local apelativo para investir. 

Compradores internacionais "dinamizam" mercado imobiliário em Lisboa

Os compradores internacionais "dinamizam" o mercado imobiliário em Lisboa, revelou a Engel & Völker, esta terça-feira. A baixa taxa de criminalidade, o elevado nível de segurança, a qualidade do sistema de educação e os incentivos governamentais são fatores que fazem da capital portuguesa um local apelativo para investir. 

"O mercado imobiliário em Lisboa está cada vez mais popular. A cidade tornou-se um dos principais destinos de eleição para muitos nómadas digitais desde a pandemia. São sobretudo atraídos pelo clima ameno que dura o ano inteiro, o custo de vida moderado, as ligações convenientes com outros destinos europeus e pela boa oferta de espaços de coworking existentes na cidade. A maioria dos nómadas digitais vive aqui entre seis meses e um ano e tende a optar por pequenos apartamentos no centro da cidade", revela Vanessa Moreira, Managing Partner da Engel & Völkers Lisboa, citada num comunicado a que o Casa ao Minuto teve acesso. 

A rede de agências imobiliárias lembra que, no final de outubro, o Governo português implementou o 'digital nomad visa', "que dará aos indivíduos que trabalham remotamente para fora da União Europeia a oportunidade de viver e trabalhar no país durante um período de 12 meses".

"Para obter este visto, o salário deve ser, pelo menos, quatro vezes o salário mínimo português, traduzindo-se em cerca de 2.800 euros por mês", pode ler-se. 

A freguesia de Santo António é uma das "áreas mais exclusivas em Lisboa", sendo "conhecida pelos seus monumentos históricos, pelas suas lojas tradicionais e pelos seus cafés e bares trendy".

Nesta zona, "os preços máximos dos apartamentos no 1.º trimestre de 2022 atingiram 12.500 euros por metro quadrado, enquanto os preços para Moradias e para casas germinadas atingiram os 3,36 milhões de euros". 

Leia Também: "Habitação acima das expectativas". Preços sobem 1,3%, vendas estabilizam

Campo obrigatório