Meteorologia

  • 12 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 31º

PRR. CGD diz que entrega de verbas a empresas tem de ser acelerada

O presidente da Comissão Executiva da Caixa Geral de Depósitos (CGD) alertou, esta segunda-feira, que é necessário acelerar a disponibilização das verbas do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) às empresas, para as ajudar a ultrapassar os efeitos da crise.

PRR. CGD diz que entrega de verbas a empresas tem de ser acelerada
Notícias ao Minuto

18:17 - 27/06/22 por Lusa

Economia CGD

Em Vila Nova de Famalicão, distrito de Braga, na abertura de mais um encontro Fora da Caixa, Paulo Macedo sublinhou que a "quantidade de 'cash'" que já está nas empresas "ainda é muito, muito diminuta".

"A questão mais importante neste momento é ele [PRR] materializar-se. A quantidade de 'cash' nas empresas ainda é muito, muito diminuta, ainda temos toda uma fase de projetos por aprovar", referiu.

Aludindo aos efeitos da guerra na Ucrânia na economia portuguesa, o presidente da CGD destacou o "fator curioso" de o país apresentar, segundo as últimas projeções do Banco de Portugal, um "crescimento significativo", ao contrário do que acontece na generalidade da Europa e mundo.

"Não se esperava um crescimento tão significativo [em Portugal]", referiu, dando conta de que esse crescimento deriva do impacto de 2021 e, numa parte significativa, do setor do turismo.

"2022 será um ano positivo para o nosso país", vaticinou, sublinhando, no entanto, que, face à volatilidade da situação atual, é necessário esperar pelos números do quarto trimestre.

Paulo Macedo disse ainda que o aumento dos preços de muitos produtos essenciais decorrente da guerra vai criar "uma pressão salarial".

"As pessoas têm menos rendimento disponível e, além disso, as pensões para o ano vão aumentar 5%, o que vai criar uma pressão adicional sobre os salários", explicou.

Em relação às taxas de juro, Macedo disse que, neste momento, estão "historicamente baixas", mas adiantou que irão inevitavelmente subir.

"Resta saber que nível é que vão ter", disse, explicando que as taxas de juro vão depender da inflação e do crescimento económico.

Para o presidente executivo da Caixa, Portugal continua a ter uma dívida pública "muito significativa", o que, a juntar à dívida climática, significa "um peso muito grande para as gerações futuras".

"Quando o secretário-geral das Nações Unidas pede desculpa às gerações futuras, eu acho que não é apenas um gesto sem significado. Quando achamos sempre que o Estado deve gastar mais, quando achamos sempre que a nossa parte não é tão significativa na poluição, é de facto um encargo concreto que estamos a passar", afirmou.

Leia Também: PRR: Bruxelas favorável a reprogramação de investimentos face aos preços

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório