Meteorologia

  • 18 MAIO 2022
Tempo
24º
MIN 15º MÁX 26º

Quanto custaram os testes e as vacinas aos cofres do Estado até novembro?

Olhando para os números da execução orçamental, foram gastos 247,1 milhões de euros em testes à Covid-19 até novembro e 292,7 milhões de euros em vacinas. 

Quanto custaram os testes e as vacinas aos cofres do Estado até novembro?
Notícias ao Minuto

08:58 - 29/12/21 por Notícias ao Minuto

Economia Covid-19

Os dados divulgados pela Direção-Geral do Orçamento (DGO), na terça-feira, mostraram que a pandemia custou 6.751 milhões de euros ao Estado até novembro. Olhando para os números, foram gastos 247,1 milhões de euros em testes à Covid-19, no mesmo período, e 292,7 milhões de euros em vacinas

Os dados da execução orçamental revelam, deste modo, que as medidas do setor da Saúde ascenderam a 1.312,9 milhões de euros até novembro. 

"De referir as medidas por parte do setor da Saúde (1.312,9 milhões de euros), nomeadamente com recursos humanos, equipamentos de proteção individual, medicamentos, vacinas e testes, bem como as medidas de apoio ao rendimento das famílias (848,5 milhões de euros), com relevância para os apoios extraordinários ao rendimento dos trabalhadores (463,3 milhões de euros)", pode ler-se no documento publicado pela DGO. 

Notícias ao Minuto Medidas do setor da Saúde ascenderam a 1.312,9 milhões de euros até novembro© Reprodução da execução orçamental da DGO

Testes e vacinas de Covid-19 vão continuar isentos de IVA

As transmissões de testes de Covid-19 e vacinas, assim como as prestações de serviços associadas a estes produtos vão continuar isentas de IVA em 2022, segundo um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

No diploma, a que a Lusa teve acesso, o governante determina que "a isenção de IVA aplicável às transmissões de dispositivos médicos para diagnóstico in vitro da Covid-19, às vacinas contra a mesma doença e às prestações de serviços relacionadas com esses produtos, prevista na Lei n.º 4-C/2021, de 17 de fevereiro, na sua redação atual, se mantenha até ao termo do prazo admissível pela Diretiva (UE) 2020/2020 do Conselho, de 7 de dezembro de 2020 (...) ou seja, até 31 de dezembro de 2022".

A medida é tomada, "desde já e por razões imperiosas, atendendo ao atual contexto pandémico" e sem prejuízo "de intervenção legislativa em momento oportuno", lê-se no mesmo despacho, assinado pelo secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

Desta forma acautela-se que o regime transitório de isenção do IVA na compra e venda de testes Covid e vacinas contra a mesma doença, bem como em relação aos serviços estreitamente ligados a estes produtos, continua a vigorar ao longo do próximo ano - tal como a Comissão Europeia veio permitir.

Desta forma, quem a partir do dia 1 de janeiro for comprar ou fazer um teste à Covid-19, por exemplo, continuará a beneficiar de isenção do IVA, tal como sucedeu a quem adquiriu até aqui um destes produtos ou serviços.

Leia Também: Empresas, eis os prazos para pedir apoio à família à Segurança Social

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório