Meteorologia

  • 31 MAIO 2020
Tempo
27º
MIN 19º MÁX 29º

Edição

Covid-19: Cabo Verde Airlines chamada a repatriar 763 passageiros

A Cabo Verde Airlines realizou seis voos de repatriamento, com 763 passageiros de várias nacionalidades, apesar da suspensão da atividade comercial desde 18 de março, devido à pandemia de covid-19, disse à Lusa o presidente da companhia.

Covid-19: Cabo Verde Airlines chamada a repatriar 763 passageiros
Notícias ao Minuto

11:11 - 05/04/20 por Lusa

Economia Coronavírus

Os números foram avançados hoje pelo presidente e diretor executivo da Cabo Verde Airlines (CVA), Erlendur Svavarsson, acrescentando que nos dias 24 e 28 de março, já com Cabo Verde encerrado a voos comerciais para o exterior, a companhia realizou dois voos de repatriamento entre a Praia e Boston (Estados Unidos), transportando 365 passageiros norte-americanos e regressando com um total de 62 cidadãos cabo-verdianos.

"Estes voos foram organizados pela Embaixada dos Estados Unidos em parceria com o Governo de Cabo Verde", referiu Erlendur Svavarsson.

A companhia acrescenta que tem "estado envolvida em outros voos de repatriamento, organizados pelo Governo de Cabo Verde e pelas entidades diplomáticas dos respetivos países", mantendo a "vontade de apoiar todas as autoridades governamentais a levar de volta cidadãos aos respetivos países de origem".

Entre a ilha do Sal (Cabo Verde) e Fortaleza foram repatriados 109 cidadãos brasileiros, regressando daquela cidade brasileira com 39 cabo-verdianos. Foram ainda realizados voos entre o Sal e Lisboa, para repatriar 179 portugueses, e de regresso àquela ilha com nove cabo-verdianos.

A CVA suspendeu temporariamente todas as atividades de transporte em 18 de março, por pelo menos 30 dias, devido à pandemia de Covid-19. Alguns destinos da companhia aérea foram vedados, preventivamente, por decisões dos respetivos países como forma de contenção da pandemia. Além disso, por decisão do Governo cabo-verdiano, e pelo menos até 09 de abril, estão proibidas as ligações aéreas oriundas de 26 países, incluindo Portugal e Brasil, deixando a transportadora sem atividade.

A companhia cabo-verdiana conta atualmente com 330 trabalhadores.

Questionada pela Lusa com a possibilidade de recorrer à suspensão dos contratos, medida previsto pelo Governo cabo-verdiano para as empresas com a atividade afetada pela pandemia de covid-19, Erlendur Svavarsson não descartou esse cenário.

"A Cabo Verde Airlines está a avaliar as medidas governamentais de apoio às empresas e tomará as ações que considerar necessárias para proteger os seus colaboradores neste contexto difícil", apontou.

Cabo Verde entra hoje na segunda semana de estado de emergência, declarado para conter a pandemia provocada pelo novo coronavírus, com a população obrigada ao dever geral de recolhimento, com limitações aos movimentos, empresas não essenciais fechadas e todas as ligações interilhas suspensas, entre outras medidas.

Em 22 de março, em entrevista à Lusa, o primeiro-ministro de Cabo Verde afirmou que a CVA será uma das empresas objeto de medidas de apoio à economia e que a alienação dos 39% que o Estado ainda detém na companhia será adiada.

A propósito das consequências da pandemia da covid-19 no arquipélago, que já regista sete casos em três ilhas, com um óbito, e que se encontra fechado aos voos do exterior, Ulisses Correia e Silva recordou que a atividade de transportes aéreos "é das mais atingidas pela crise atual, a nível mundial".

"Cabo Verde não é exceção. A CVA sofre as consequências das medidas que todos os países estão a tomar de fecho das fronteiras aéreas, incluindo as que Cabo Verde já tomou. A CVA consta obviamente do leque de empresas que serão objeto das medidas de apoio à economia", assumiu.

A companhia aérea de bandeira foi privatizada em março de 2019, com a venda de 51% do capital social a investidores islandeses, liderados pela Icelandair. Durante o ano de 2019 avançou ainda a venda de 10% a trabalhadores e emigrantes, e estava prevista a venda da restante participação a investidores institucionais.

"Quanto à participação no capital social, o Estado detém 39%. Está prevista a alienação dessa participação, mas este não é o momento de o fazer", afirmou o primeiro-ministro, na entrevista à Lusa.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 63 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 220 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório