Meteorologia

  • 26 NOVEMBRO 2020
Tempo
15º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

Carteira de investimentos comunitários já alcançou os 11 mil milhões

O ministro do Planeamento, Nelson de Souza, anunciou hoje que o valor dos investimentos aprovados durante o atual quadro comunitário já alcançou os 11 mil milhões de euros, estando a execução dos programas nos 62%.

Carteira de investimentos comunitários já alcançou os 11 mil milhões
Notícias ao Minuto

14:24 - 06/12/19 por Lusa

Economia Investimento

Segundo o ministro, que falava em Lisboa durante uma conferência organizada pelo Dinheiro Vivo, o valor da carteira "impressiona", sobretudo se for analisada a sua composição.

A carteira de investimentos aprovados está "executada em 62% neste momento", disse.

"Trata-se de uma carteira com investimentos de mais de mil milhões de euros em investigação e desenvolvimento, muitas empresas médias, com novos processos e produtos quase todos orientados para a exportação", disse Nelson de Souza, referindo, no entanto, que nem todos terão já atingido o seu "ano cruzeiro".

"Executemos, pois, com sucesso aquilo que nos falta fazer", disse ainda o ministro, referindo que com 4,2 mil milhões de euros programados, mas ainda por executar, o investimento "legitima e ajuda a reclamar a continuidade de novos fundos estruturais para continuar a apoiar estas dinâmicas".

Também presente na conferência, o responsável pela PwC Portugal António Brochado identificou várias áreas nas quais acredita que Portugal deverá apostar na próxima década para melhorar a sua posição nas cadeias de valor globais, nomeadamente investir mais no pré-escolar e na requalificação profissional.

O especialista considera também determinante "uma aposta mais significativa na economia do mar" e uma reaproximação da economia portuguesa à de países africanos como Moçambique e Angola.

Aumentar a velocidade na adoção das tecnologias como a inteligência artificial serão também fundamentais, disse.

O economista João Duque, igualmente presente na conferência alertou, por sua vez, para a necessidade de uma maior "estabilidade fiscal".

"Não há ninguém que venha trabalhar para Portugal porque os impostos são baixos, é preciso ganhar bem e que as empresas paguem, mas é preciso existir confiança. É necessária uma política fiscal estável", disse.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório