Meteorologia

  • 17 JULHO 2019
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 19º

Edição

Fórum para a Competitividade prevê desaceleração do PIB para 1,3% a 1,6%

O Fórum para a Competitividade prevê uma desaceleração da economia portuguesa para entre 1,3% e 1,6% em 2019, considerando que "as perspetivas para Portugal estão agora piores" devido à "clara deterioração do ambiente externo".

Fórum para a Competitividade prevê desaceleração do PIB para 1,3% a 1,6%
Notícias ao Minuto

11:52 - 02/04/19 por Lusa

Economia 2019

"Com a clara deterioração do ambiente externo, as perspetivas para Portugal estão agora piores e já se torna mais difícil antecipar uma recuperação do mau desempenho das exportações no quarto trimestre de 2018. Assim, prevemos que a economia desacelere, de 2,1% em 2018 para entre 1,3% e 1,6% em 2019", lê-se na nota de conjuntura de março do Fórum para a Competitividade, hoje divulgada.

Segundo refere, "é possível que o crescimento seja ainda algumas décimas acima da média da União Europeia (UE), mas isso não corresponderá a qualquer tipo de convergência se, como até aqui, a produtividade continuar a divergir".

É que, sustenta, "não pode haver equívocos quanto à evolução recente da economia portuguesa": "Apesar de ter crescido duas décimas acima da média da UE em 2018, Portugal viu a sua produtividade cair, divergindo da média da UE".

Para o Fórum da Competitividade, "esta evolução não foi um movimento fortuito", mas antes "a continuação de uma tendência", já que "entre 2017 e 2018, em termos acumulados, a produtividade baixou 0,5%, enquanto na média da UE houve um crescimento de 1,7%".

"Crescer menos do que estes 1,7% seria mau, mas ter uma queda neste indicador é péssimo", afirma, considerando que "enquanto não se assumir - politicamente -- este problema, não serão tomadas medidas para o resolver".

De acordo com a nota de conjuntura elaborada pelo Gabinete de Estudos do Fórum para a Competitividade, "apesar da diminuição da taxa de desemprego para um novo mínimo desde agosto de 2002, o mercado de trabalho continua a arrefecer".

"A variação homóloga do emprego teve, após valores superiores a 3% em 2017, uma desaceleração sucessiva no início de 2018, valores abaixo de 2% a partir do quarto trimestre do ano passado, 1,5% em janeiro e 1,3% em fevereiro", nota.

Para o Fórum, com a atual taxa de desemprego (6,3%) ao nível das estimativas da taxa natural de desemprego (entre 6% e 7%), "não faz qualquer sentido tentar diminuir o desemprego com promoção da procura, sendo imperioso tomar medidas para diminuir a própria taxa natural de desemprego".

E, uma vez que "a razão principal" para a taxa natural de desemprego ser "tão elevada" é o "desencontro entre qualificações dos desempregados e as pedidas pelas empresas, é aqui que se devem concentrar os esforços", revendo a forma como se faz formação profissional e promovendo-a dentro das empresas.

Relativamente ao défice externo, o Fórum refere que "o valor de um único mês é muito insuficiente para retirar conclusões", mas alerta que a deterioração registada em janeiro "não é uma boa notícia", recordando que já vinha avisando que em 2019 Portugal poderia "deixar de ter saldos externos positivos".

Quanto ao défice nominal, é apontada uma redução em três pontos percentuais entre 2015 e 2018, mas a instituição nota que "um conjunto de fatores 'temporários' representam mais de metade deste esforço de consolidação orçamental", advertindo tratar-se de "despesa rígida financiada com receita cíclica", numa repetição dos "mesmos erros do passado" que "voltará a não dar um bom resultado seguramente".

No que se refere aos salários, o Fórum para a Competitividade considera "inteiramente compreensível que os trabalhadores e os seus representantes não gostem que, neste momento, os salários, em percentagem do PIB [Produto Interno Bruto], estejam um pouco abaixo da média", mas destaca ser "muitíssimo mais importante perceber que a melhor forma de aumentar os salários é fomentar o crescimento do PIB", até porque "um PIB maior permite baixar impostos".

A este propósito, refere que se Portugal tivesse crescido como Espanha desde 2000 o PIB nacional "poderia ser 22% superior ao que é hoje, ou seja, a massa salarial também poderia ser 22% superior ao que é".

O Fórum adverte ainda que, nesta matéria, "não basta aumentar o PIB, é também preciso que cresça com qualidade, com melhoria da produtividade", sendo que "todos os atrasos do Estado são obstáculos ao crescimento da produtividade", desde os atrasos nos licenciamentos e na burocracia, aos atrasos nos pagamentos a fornecedores, na justiça e outros.

Liderado pelo empresário Pedro Ferraz da Costa, o Fórum para a Competitividade assume-se como "uma instituição ativa na promoção do aumento da competitividade de Portugal, através de estímulos ao desenvolvimento da produtividade nas empresas".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório