Meteorologia

  • 25 OUTUBRO 2021
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 23º

Edição

Setor do crédito "está estável". "A crise foi ensinando lições"

A Associação de Instituições de Crédito Especializado (ASFAC) garantiu hoje que o setor está estável, após as "lições aprendidas na crise financeira", rejeitando que haja "facilitismo" no acesso a empréstimos ao consumo e à habitação.

Setor do crédito "está estável". "A crise foi ensinando lições"
Notícias ao Minuto

16:04 - 12/12/18 por Lusa

Economia ASFAC

"Se há momento no país em que há certeza sobre a sustentabilidade do crescimento do crédito, parece-nos ser este o momento", declarou a secretária-geral da ASFAC, Susana Albuquerque.

A responsável, que falava na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, foi chamada ao parlamento para falar sobre a evolução do endividamento das famílias, com deputados de diferentes bancadas a manifestarem preocupação sobre o crescimento deste indicador.

"Apesar da recuperação, os valores estão muito abaixo dos que se registavam antes da crise", ressalvou a responsável, indicando que, no crédito ao consumo, os valores registados este ano são menos de metade dos de 2008.

Falando sobre o incumprimento no pagamento dos créditos contraídos, Susana Albuquerque notou que este "tem vindo a diminuir de forma sustentada" nos últimos cinco anos, assistindo-se, desde logo, a uma queda de 28% no que toca ao crédito ao consumo.

"É um sinal das lições aprendidas na crise financeira, por parte das instituições de crédito e dos consumidores", observou.

Além disso, "temos hoje em dia um enquadramento regulatório que é completamente diferente do que tínhamos pré-crise", notou, salientando que "isso contribui para a sustentabilidade do crescimento do crédito".

Apesar de admitir que "tem de haver muito mais informação na concessão de crédito", Susana Albuquerque sublinhou a necessidade de distinguir "a facilidade de acesso com facilitismo".

"Não podemos confundir campanhas massivas e entusiastas de 'marketing' com facilitismo", insistiu, ressalvando que as instituições de crédito são "muito inspecionadas pelo Banco de Portugal [BdP]" e que este regulador estipulou uma taxa de esforço máxima até 50% do rendimento.

A ASFAC é composta por 32 entidades associadas, 29 instituições de crédito especializadas no financiamento do consumo e três outras empresas, representando 30% a 40% do setor de financiamento especializado de consumo.

Aludindo à regulação do setor, Susana Albuquerque falou num "nível intenso de supervisão".

"A crise foi ensinando lições", observou a responsável, considerando que este setor é "tão ou mais regulado do que o dos medicamentos", outro dos mais monitorizados.

Segundo dados hoje revelados pela secretária-geral da associação, o crédito à habitação representa 78% do total de endividamento, enquanto o crédito ao consumo equivale ao restante.

"Isso deve-se a um fator muito importante, que é a ausência de um verdadeiro mercado de arrendamento competitivo", notou Susana Albuquerque, indicando que "continua a ser, no dia de hoje, mais barato contrair um empréstimo à habitação do que arrendar".

Após vários alertas sobre o risco do sobre-endividamento das famílias, o BdP lançou em julho novas regras que criam restrições à concessão de novos créditos à habitação e ao consumo, estabelecendo que as famílias apenas podem gastar metade do seu rendimento com empréstimos bancários.

Já esta semana, na terça-feira, o BdP divulgou que os bancos concederam 397 milhões de euros em novos créditos ao consumo em outubro deste ano, ascendendo o total desde janeiro a 3,882 mil milhões de euros, mais 14% do que em 2017.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório