Meteorologia

  • 17 DEZEMBRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

Conselho Económico e Social preocupado com subida de impostos em 2017

O Conselho Económico e Social (CES) manifestou hoje preocupação pela subida dos impostos em 2017, devido às consequências negativas para o investimento e no rendimento disponível das famílias, e defendeu a redução dos encargos com a dívida pública.

Conselho Económico e Social preocupado com subida de impostos em 2017
Notícias ao Minuto

18:59 - 12/10/18 por Lusa

Economia OE2017

"A subida da carga fiscal, contrariando o previsto no OE2017, continua a ser um ponto preocupante, nomeadamente pelos seus efeitos no investimento e na criação de condições para a melhoria do rendimento disponível das famílias", afirmou o CES no seu parecer sobre a Conta Geral do Estado (CGE) de 2017, aprovado em plenário.

No documento, a que a agência Lusa teve acesso, o CES voltou a defender uma política de gestão da dívida pública que permita a diminuição dos respetivos encargos e a melhoria do rácio da dívida pública em relação ao Produto Interno Bruto (PIB).

O Conselho defendeu ainda a necessidade de clarificação da renegociação dos contratos com as Parcerias Público-Privadas (PPP), "cujos riscos orçamentais e responsabilidades contingentes poderão atingir valores superiores a 380 milhões de euros".

No seu parecer, o CES salientou a evolução favorável da situação financeira da Segurança Social, mas manifestou "alguma preocupação no que se refere a algumas situações na proteção social aos desempregados e à insuficiente cobertura da rede de serviços e equipamentos sociais, que carecem dos investimentos adequados, sem os quais se poderá agravar o atual quadro demográfico e as perspetivas de desenvolvimento social".

O Conselho referiu ainda que as finanças públicas em 2017 apresentaram uma evolução favorável devido ao comportamento da economia, ao aumento do emprego e à diminuição do desemprego.

"Esta evolução pode ser ilustrada pela diferença entre a taxa do aumento do PIB prevista no OE2017, que foi de 1,5%, e o valor verificado em 2017 de 2,7%, e ainda da diferença em relação ao valor deste indicador em 2016 (1,6%)", considerou.

Segundo o CES, a evolução do enquadramento macroeconómico impulsionou o crescimento da receita fiscal, que, conjugada com uma política de diminuição da despesa pública, "com particular incidência no investimento público e na despesa corrente de alguns ministérios, "originou que o saldo global da Conta das Administrações Públicas tenha tido uma evolução mais favorável do que o previsto".

"Este resultado é relevante do ponto de vista contabilístico, mas deixa dúvidas sobre a sua incidência na qualidade dos serviços públicos, nomeadamente transportes e cuidados de saúde", alertou.

No seu parecer, o CES reconheceu progressos registados na legibilidade do documento do Governo, mas considerou que "a CGE ainda não é um documento acessível, nomeadamente ao público menos especializado em matéria de finanças públicas".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório