Meteorologia

  • 14 AGOSTO 2018
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 22º

Edição

Paz social na CGD está "ferida de morte"

A Comissão de Trabalhadores da Caixa Geral de Depósitos (CGD) disse hoje que soube da denúncia dos Acordos Empresa (AE) apresentada pela administração do banco "por terceiros", sublinhando que a paz social no banco "está definitivamente ferida de morte".

Paz social na CGD está "ferida de morte"
Notícias ao Minuto

16:21 - 08/08/18 por Lusa

Economia Trabalhadores

Em comunicado, a Comissão de Trabalhadores (CT) anunciou que teve conhecimento através da comunicação social de que, na véspera da apresentação dos resultados do banco relativos ao primeiro semestre, a CGD "notificou os diferentes sindicatos representativos dos trabalhadores da denúncia dos AE".

"Interessa realçar que, numa matéria de enorme importância para quem trabalha na CGD, esta CT tenha tido conhecimento da mesma por terceiros e não de uma forma institucional", lê-se no comunicado.

Para a CT, esta atitude da administração do banco liderado por Paulo Macedo é demonstrativa "do desrespeito que a Comissão Executiva tem para com os seus trabalhadores e pela sua estrutura mais representativa".

"A pretensa paz social que no fundo nunca existiu nos últimos anos, o que existe efetivamente são trabalhadores tolhidos pelo medo e sob ameaça, está definitivamente ferida de morte com esta atitude por parte da administração do banco do Estado", defendeu a CT.

A CT solicitou já reuniões "com caráter de urgência" aos sindicatos STEC, FEBASE, SNQTB e SinTAF para se inteirar dos contornos detalhados da denúncia e avaliar a possibilidade de ações conjuntas.

O Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD (STEC) convocou na semana passada uma greve para o dia 24. As restantes estruturas já anunciaram que não avançam para a greve, mas lembram que todos os trabalhadores, sindicalizados ou não, podem aderir ao protesto.

Além das reuniões com os sindicatos, a CT pediu audiências aos partidos com assento parlamentar.

De acordo com a CT, nos últimos oito anos "viveu-se num profundo desrespeito pelos trabalhadores da CGD, que estiveram sem aumentos salariais e sujeitos a incumprimento dos seus direitos".

Além disso, a CGD "reduziu mais de dois mil postos de trabalho, diminuiu cerca de três centenas de agências, reduziu a sua capacidade operativa sacrificando, desse modo, muito da sua missão de cumprir o serviço público bancário e prejudicando as populações que dele dependem", avançou a CT.

No final de julho, a CGD anunciou que obteve lucros consolidados de 194 milhões de euros no primeiro semestre deste ano, o que compara com os prejuízos de 50 milhões de euros nos primeiros seis meses de 2017.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.