Meteorologia

  • 25 JULHO 2017
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 17º

Edição

FC Porto, Wolves e Jorge Mendes: "Nuno Espírito Santo foi a vítima"

Livro 'A orgia do poder' monta a cronologia da longa relação de Jorge Mendes com o treinador. E, em entrevista ao Desporto ao Minuto, o autor Pippo Russo explica como culminou com a saída do Dragão para a segunda divisão inglesa.

FC Porto, Wolves e Jorge Mendes: "Nuno Espírito Santo foi a vítima"
Notícias ao Minuto

08:05 - 30/06/17 por Carlos Pereira Fernandes

Desporto Pippo Russo

Rio Ave, Valência, FC Porto e Wolverhampton. Quatro clubes que, além do facto de terem sido – no caso do último, estar a ser – orientados por Nuno Espírito Santo, têm algo em comum.

Em 'A orgia do poder', livro do jornalista italiano Pippo Russo que, desde dia 7 deste mês, está à venda Portugal, estes quatro clubes são referenciados como estando ‘na mão’ de Jorge Mendes. Em entrevista ao Desporto ao Minuto, o autor assegura que os dois factos estão intrinsecamente ligados.

Mas vamos por partes.

Jorge Mendes e Nuno Espírito Santo. Como tudo começou

Formado no Vitória de Guimarães, o então guarda-redes de apenas 19 anos é cedido por duas épocas ao Vila Real, onda joga “com alguma regularidade”. Mas Nuno Espírito Santo queria mais. Mais propriamente, a titularidade da baliza vimaranense, na altura entregue a Neno.

“Vai ser difícil ganhar-lhe a posição e Nuno sabe isso. Quer mais, mas não sabe como o fazer, nem a quem dirigir-se. Uma noite, na discoteca, fala com o amigo Jorge. E o amigo Jorge diz-lhe para ficar tranquilo, que é possível encontrar uma solução. A carreira de Mendes enquanto agente de jogadores começa ali. E também a de Nuno, que a partir daquele momento atingiu patamares inimagináveis”, escreve Pippo Russo.

O agora treinador do Wolverhampton acabaria, então, por se tornar no primeiro cliente de Jorge Mendes, que não só ousou enfrentar o então presidente do Vitória de Guimarães, Pimenta Machado, “como encontra mesmo uma solução de topo: o FC Porto”.

“Pimenta Machado mantém péssimas relações com o presidente do FC Porto, Jorge Nuno de Lima Pinto da Costa. Diz a Jorge Mendes que não faz negócio com ele. Já que estavam a falar, o presidente aproveita para acrescentar, em tom de desafio, que estaria disponível a deixar sair Nuno por uma oferta de um milhão de dólares”, refere. Uma missão impossível? Não para Jorge Mendes.

O empresário, que “tinha travado conhecimento com Augusto César Lendoiro, presidente do Deportivo da Corunha”, convence-o a tentar a contratação… sem êxito. Jorge Mendes traçou, então, nova estratégia: “Quando chega a altura de se apresentar para o estágio de pré-época, não só Nuno deserta, como desaparece mesmo do mapa”.

O “desaparecimento” dura semanas, até que Jorge Mendes “afirma saber o que fazer para encontrar o foragido”. Dias depois o empresário cumpre a missão e leva Pimenta Machado ao seu ‘esconderijo’, um apartamento “meticulosamente desarrumado e Nuno parece estar completamente embriagado”.

“O presidente vitoriano recomenda a Jorge Mendes que não submeta Nuno a análises que possam trazer ao de cima o seu alcoolismo” e acaba por aceitar vendê-lo ao Deportivo da Corunha, a troco de 2,5 milhões de euros.

Da má experiência espanhola à seleção nacional

No entanto, em Espanha, as coisas não correm como planeado. Das seis épocas em que se encontra contratualmente ligado ao Deportivo, Nuno passa três cedido: duas ao Mérida e uma ao Osasuna. Acaba por regressar ao FC Porto em 2002 e realiza 31 jogos em três épocas, antes de voltar a sair. Desta feita, para o Dínamo de Moscovo.

Em 2006, volta novamente a Portugal, para o Desportivo das Aves, que acaba por descer no final da temporada. Foi então que regressou para a terceira passagem pelo FC Porto, onde “passa as últimas três temporadas como jogador, participando num total de oito partidas”.

“Este último dado contrasta com o reconhecimento que o guarda-redes vê ser-lhe dado praticamente no final da sua trajetória, em junho de 2008. É o ano do Campeonato da Europa, disputado na Áustria e na Suíça, e Portugal encontra-se entre os participantes. No dia antes da partida inicial, o terceiro guarda-redes da seleção, Quim, lesiona-se numa mão. É necessário chamar um substituto e a lógica exigiria um guarda-redes que fosse titular no seu clube. Contudo, o selecionador Felipe Scolari decide convocar Nuno Espírito Santo, eterno suplente. Convém mencionar que, nos anos seguintes, também Felipe Scolari passará para a equipa Gestifute”, escreve Pippo Russo.

Rio Ave, o "FC Mendes"

Após pendurar as chuteiras, Nuno Espírito Santo tenta a sua sorte enquanto treinador, começando como elemento da equipa técnica de Jesualdo Ferreira, em 2010, no Málaga. Acaba por acompanhar o técnico até ao Panathinaikos, onde fica até 2012.

“No verão de 2012, chega para Nuno Espírito Santo o primeiro cargo de treinador . Qual é o clube que o chama? O Rio Ave, ou seja, o já mencionado FC Mendes”, atira o italiano. Nuno permanece em Vila do Conde por duas temporadas, onde chega às finais da Taça de Portugal e da Taça da Liga e coloca o clube, pela primeira vez, nas competições europeias.

Os argumentos convenceram o Valência a avançar para a sua contratação, mas, tal como havia sucedido no Deportivo, a aventura espanhola não correu como esperado. Na primeira época, até conseguiu deixar o emblema che no quarto lugar da Liga espanhola. Na segunda, acaba por ser demitido à 13.ª jornada, deixando a equipa no nono posto.

"Nuno Espírito Santo é um treinador que, por milagre, tem sempre oportunidades"

É então que regressa a Portugal, pela quarta vez. E novamente para representar o FC Porto, desta feita enquanto treinador. Leva os dragões ao segundo lugar da I Liga, ficando a seis pontos do campeão Benfica.

Pinto da Costa, não convencido com os seus métodos, acaba por demiti-lo a 25 de maio. Seis dias depois é anunciado como treinador do Wolverhampton. Mas, afinal, o que explica que um técnico que, em 2016/17, lutou pelo título nacional, vá disputar a segunda divisão inglesa em 2017/18?

“Apenas se pode explicar pelo facto do Wolverhampton ser um clube ligado a Jorge Mendes. Nuno Espírito Santo é um treinador que, por milagre, tem sempre oportunidades. No geral, a experiência de Nuno Espírito Santo no FC Porto não me pareceu tão negativa. Penso que a razão pela qual foi despedido do FC Porto não foi apenas desportiva, mas também política. A nova relação entre FC Porto e Jorge Mendes não correu como o clube desejava. Nuno Espírito Santo foi a vítima deste falhanço nesta nova relação. Para mim, a contratação de Nuno Espírito Santo pelo Wolverhampton foi uma espécie de evolução natural da história”, explicou Pippo Russo, ao Desporto ao Minuto.

Acompanhe as transmissões ao vivo da Primeira Liga, Liga Europa e Liga dos Campeões!

Obrigado por ter ativado as notificações do Desporto ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório