Meteorologia

  • 24 JULHO 2024
Tempo
29º
MIN 20º MÁX 38º

Rockin'1000. "É uma experiência 'sui generis', será uma coisa única"

O músico português Pedro Abrunhosa, que será o convidado especial do Rockin'1000, antecipou hoje que tocar com mil músicos de rock no espetáculo agendado para 14 de setembro, em Leiria, será uma incógnita e um grande desafio.

Rockin'1000. "É uma experiência 'sui generis', será uma coisa única"
Notícias ao Minuto

15:40 - 21/06/24 por Lusa

Cultura Música

uma experiência 'sui generis', será uma coisa única. Eu não sei o que vai acontecer, e as coisas que são uma incógnita são um grande desafio", disse à agência Lusa Pedro Abrunhosa, sobre a sua participação no concerto que reunirá mil músicos de todo o mundo no estádio Dr. Magalhães Pessoa.

"Fazer o que ainda não foi feito" (do álbum 'Longe', de 2010, o primeiro com os Comité Caviar) foi a canção escolhida pela organização do Rockin'1000 e proposta ao músico, que admite ter um título "que se adequa a esta experiência".

"É uma canção relativamente simples de tocar, mas que tem uma assinatura muito própria, nomeadamente na guitarra [que se faz ouvir logo na abertura do tema]. A guitarra tem aquilo que nós chamamos um 'riff', e ter mil músicos - não serão mil guitarristas, mas 500 guitarristas a fazer aquele 'riff' -- vai ser uma experiência... é uma loucura", declarou Pedro Abrunhosa.

O músico natural do Porto, que está a comemorar 30 anos do lançamento do seu primeiro álbum ('Viagens', 1994), fez um paralelo, em espécie de "caricatura e guardadas as distâncias", entre o espetáculo do Rockin'1000 e uma orquestra sinfónica.

"A orquestra sinfónica que nós conhecemos, na tradição clássica, no fundo é isto em pequena escala", argumentou, lembrando que a partir da Revolução Francesa (1789), em finais do século XVIII, deu-se "uma democratização da música" e as orquestras passaram a ter uma formação que se manteve até aos dias de hoje.

"Como não havia amplificadores, o violino dos quartetos de câmara passou a ter dois, três, quatro, cinco, seis, sete violinistas, para se ouvir mais longe. E, portanto, uma orquestra sinfónica com 150 músicos, já é uma amplificação natural da música clássica", afirmou.

"Neste caso é um bocado o mesmo", prosseguiu. "Vai ser interessantíssimo ouvir aquela multidão tocar aquela música, estou muito curioso", revelou Pedro Abrunhosa. "Estou muito esperançoso que seja um megaevento".

Em nota de imprensa hoje divulgada, a promotora MOT -- Memories of Tomorrow definiu a canção "Fazer o que ainda não foi feito" como "um hino à união, à esperança e à celebração".

Adiantou que "a mensagem inspiradora" do tema de Pedro Abrunhosa "encaixa-se perfeitamente com o espírito do Rockin'1000, que reúne pessoas de todas as idades e origens para celebrar a música e a alegria ao interpretarem juntos os maiores clássicos do rock".

O escritor de canções não perde o seu lado de ativista e defensor de causas, e disse à Lusa que "numa altura em que o mundo está profundamente dividido, a música cumpre um papel profundamente pacificador e aglutinador".

Para Pedro Abrunhosa, a música, a poesia e a arte, no geral, "têm este papel, o de mostrar à humanidade que a humanidade pode colaborar em conjunto, pode não falar a mesma língua, mas pode produzir em conjunto".

"A música e a arte são, exatamente, a capacidade que temos, ali, naquele estádio [o palco do Rockin'1000] de irem estar milhares de pessoas, com credos diferentes, com cores diferentes, com partidos diferentes, com clubes de futebol diferentes, vindos de geografias diferentes. E não há nada mais antirracista e, no fundo, mais humanista do que tocar juntos a mesma música, é lindíssimo", observou.

"É uma liturgia sem recorrer ao sagrado, não há dogmas", enfatizou Pedro Abrunhosa.

Leia Também: DGArtes apoia 128 projetos de Música e Ópera (mas 164 ficaram de fora)

Recomendados para si

;
Campo obrigatório