Meteorologia

  • 29 MAIO 2024
Tempo
21º
MIN 15º MÁX 29º

CIM Transmontana indignada com "desclassificação" de museus do território

A Comunidade Intermunicipal transmontana aprovou, por unanimidade, uma moção para demonstrar "total indignação" sobre a decisão do Governo em desclassificar o Museu do Abade de Baçal, Domus Municipalis e o Museu de Miranda, disse hoje o presidente deste organismo.

CIM Transmontana indignada com "desclassificação" de museus do território
Notícias ao Minuto

12:12 - 25/07/23 por Lusa

Cultura Trás-os-Montes

"Não se justifica que estes museus não continuem e a integrar uma rede nacional para estes equipamentos. Entendemos que a retirada deste museu de uma rede nacional é uma desclassificação destes espaços culturais", explicou à Lusa Jorge Fidalgo.

O conselho da Comunidade Intermunicipal da CIM Terras de Trás-os-Montes (CIM-TTM) composta pelos concelhos de Alfândega da Fé, Bragança, Macedo de Cavaleiros, Miranda do Douro, Mirandela, Vila Flor, Vimioso e Vinhais aprovou por unanimidade a moção "Indignação sobre as medidas do Governo em relação à desclassificação do Museu do Abade de Baçal, Domus Municipalis e Museu Terra de Miranda".

O presidente da CIM-TTM considerou ainda que esta resolução do Governo coloca em causa o interesse público, a coesão e o desenvolvimento territorial, considerando ainda que se tratou de uma decisão unilateral, sem o conhecimento ou envolvimento prévio destes municípios, excluindo de todo o processo os principais interessados: municípios e munícipes.

"Atendendo à natureza destes museus que são fundamentais para o nosso território, sendo a identidade de um povo onde está a sua história, a sua cultura, estar a retirar o Museu do Abade Baçal, Domus Municipalis e Museu de Miranda da Rede Nacional de Museus não faz qualquer sentido. Estamos contra e indignados contra esta decisão", vincou Jorge Fidalgo.

O município de Miranda do Douro já havia dito que discorda em assumir a gestão do Museu da Terra de Miranda e disse hoje nunca ter sido contactado pelo Governo acerca desta tomada de posição.

Este município do Planalto Mirandês assumiu desde logo que não está de acordo em receber a tutela do Museu da Terra de Miranda para a sua gestão, tendo em conta que estes tipos de equipamentos deverão ser geridos por entidades que os protejam com planos estratégicos de preservação nacionais, bem delineados e com rigor técnico à sua execução.

Também a Câmara de Bragança já se havia insurgido contra a reorganização de monumentos e museus decidida pelo Governo e por não ter sido ouvida no processo que abrange dois equipamentos da cidade.

No caso do Museu Abade de Baçal e da Domus Municipalis de Bragança, a câmara vinca que estão em causa "monumentos icónicos do concelho e amplamente valorizados e apreciados pelos brigantinos e por quem visita" a cidade.

Este documento será enviado ao Governo e ao Presidente da República e à Direção Regional de Cultura do Norte, no sentido de demonstrar a "total indicação" face às mudanças anunciadas nestes equipamentos históricos e culturais.

A partir de 1 de janeiro de 2024, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) vai dar lugar a duas entidades distintas: o instituto público Património Cultural, com sede no Porto, e a empresa pública Museus e Monumentos de Portugal, com sede em Lisboa, ambos com obrigação de cumprimento de "eficiência económica nos custos" e uma "gestão por objetivos".

O anúncio foi feito pelo Ministério da Cultura e prevê ainda que o Museu da Terra de Miranda, os museus D. Diogo de Sousa e dos Biscainhos, em Braga, o Museu do Abade de Baçal, em Bragança, o Museu da Guarda, o Museu da Cerâmica, nas Caldas da Rainha, e o Museu Joaquim Manso, na Nazaré, passem da esfera das respetivas direções regionais de Cultura para os municípios.

Numa sessão de apresentação do novo modelo de organização do Património Cultural, os diretores de seis equipamentos culturais de Bragança (Museu do Abade de Baçal e Domus Municipalis), Miranda do Douro (Museu da Terra de Miranda e Sé de Miranda) e Braga (Museu D. Diogo de Sousa e Museu dos Biscainhos insurgiram-se contra a reorganização da gestão dos museus e monumentos e ameaçaram mobilizar a população para reverter a decisão do Governo.

Leia Também: Trabalhadores da DGPC mantêm direitos após reforma do setor, diz Governo

Recomendados para si

;
Campo obrigatório