Meteorologia

  • 04 MARçO 2024
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 17º

Salman Rushdie alerta que liberdade de expressão está gravemente ameaçada

O escritor Salman Rushdie avisou que a liberdade de expressão no Ocidente está sob a maior ameaça que já assistiu em toda a sua vida, naquele que foi o seu primeiro discurso público após ter sido atacado.

Salman Rushdie alerta que liberdade de expressão está gravemente ameaçada
Notícias ao Minuto

16:23 - 16/05/23 por Lusa

Cultura Salman Rushdie

O escritor britânico enviou uma mensagem em vídeo para o British Book Awards, que lhe atribuiu, na segunda-feira à noite, o prémio Freedom to Publish, que "reconhece a determinação de autores, editores e livreiros que se posicionam contra a intolerância, apesar das ameaças que enfrentam", noticia a AP.

"Vivemos num momento em que a liberdade de expressão e a liberdade de publicação nunca estiveram, em todo o meu tempo de vida, tão ameaçadas nos países ocidentais", disse.

"Agora que estou aqui sentado nos Estados Unidos, tenho de olhar para o extraordinário ataque às bibliotecas e aos livros para crianças nas escolas. O ataque à ideia das próprias bibliotecas. É extremamente alarmante e temos de estar muito atentos e lutar muito contra isso", acrescentou.

Durante o seu discurso, Salman Rushdie criticou também os editores que alteram livros com décadas de existência para adaptá-los às sensibilidades modernas, como aconteceu com os cortes e as reedições em grande escala feitos nas obras do autor infantil Roald Dahl e do criador de James Bond, Ian Fleming.

Os editores devem permitir que os livros "cheguem até nós do seu tempo e sejam do seu tempo. E se isso for difícil de aceitar, não o leiam, leiam outro livro", considerou o autor.

Salman Rushdie, de 75 anos, apareceu no vídeo visivelmente mais magro do que antes do ataque e usava óculos com uma lente colorida.

O escritor ficou cego do olho direito e sofreu danos nos nervos da mão, na sequência de um esfaqueamento por um homem de 24 anos, quando iniciava uma palestra em Chautauqua, Nova Iorque, em agosto do ano passado.

O alegado agressor, Hadi Matar, declarou-se inocente das acusações de agressão e tentativa de homicídio.

Salman Rushdie passou anos escondido e com proteção policial, depois de o fundador da República Islâmica, ayatollah Rouhollah Khomeini, ter emitido uma 'fatwa' (decreto religioso) em 1989, apelando à sua morte devido ao que considerava blasfémia, do romance "Os Versículos Satânicos".

O escritor regressou gradualmente à vida pública depois de, em 1998, o governo iraniano se ter distanciado da ordem, afirmando que não apoiaria alguma tentativa de o matar, embora a 'fatwa' nunca tenha sido oficialmente revogada.

Salman Rushdie ganhou o Prémio Booker em 1981 pelo seu romance "Os filhos da meia-noite" e, em 2008, foi eleito o melhor vencedor de sempre daquele prestigiado prémio literário.

O seu romance mais recente, 'Victory City', concluído um mês antes do atentado, foi lançado internacionalmente em fevereiro deste ano, pela Penguin Random House, e chegará a Portugal no final do ano, editado pela Dom Quixote.

Leia Também: "A decisão é sua". Personalidades pedem libertação de Navalny a Putin

Recomendados para si

;
Campo obrigatório