Meteorologia

  • 03 AGOSTO 2021
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 29º

Edição

Cantora Rita Vian estreia-se com EP "Caos'a" entre eletrónica e tradição

Entre a eletrónica e a tradição, entre a escrita do hip hop e o fado, a cantora portuguesa Rita Vian edita hoje o primeiro registo em nome próprio, intitulado "Caos'a", produzido pelo músico Branko.

Cantora Rita Vian estreia-se com EP "Caos'a" entre eletrónica e tradição
Notícias ao Minuto

12:03 - 25/06/21 por Lusa

Cultura Rita Vian

Neste EP, com selo da editora Arraial, "está o meu dia-a-dia, um pouco a crueza de escrever sobre a minha vida, entre o trabalho que tenho para pagar contas e o meu gosto pela música; o caos que é essa procura de algo que nos faça sentir que existe um propósito", afirmou Rita Vian à agência Lusa.

Rita Vian, 29 anos, que há uma década passou por um concurso televisivo de talentos, gravou com Mike el Nite, Benji Price e DJ Glue, fez parte dos Beautify Junkiards, e foi lançando músicas soltas nos últimos dois anos, construídas em casa depois de um dia de trabalho como empregada de bar.

Com uma escrita visual e densa, e com um timbre no qual transparece o fado e a música tradicional, Rita Vian editou as músicas "Diágonas", "Sereia" e "Purga", o que mais se aproxima do EP de estreia.

"Caos'a", composto por cinco temas, musicalmente "é uma mistura de géneros que estão todos fundidos em Lisboa e no meu crescimento, entre a escrita do hip hop, entre o fado, a tragédia, o amor, a saudade e algum existencialismo a pensar nas coisas", descreveu à Lusa.

A cantora reconhece a ligação desses universos, aparentemente paralelos, à infância, das sessões de fados na casa dos avós, e à adolescência, pela influência dos amigos e do hip hop.

"Em casa dos meus avós, sempre se cantaram fados 'a capella', e eu nunca soube que eram fados até muito tarde; para mim eram canções da minha família, (...). E na adolescência vivi sempre rodeada mais de amigos 'rappers', mas nunca ninguém esteve relacionado com fado nem com esse lado mais tradicional da música", recordou.

Rita Vian ainda estudou para seguir jornalismo, passou pelo Hot Clube de Portugal, pela Escola Metropolitana de Lisboa, teve aulas de piano, mas tudo foi feito de forma desprendida e com o objetivo de compreender a música que queria fazer.

"Nunca procurei um trabalho, mas uma forma de subsistir e de fazer o que me deixasse sentir o mais livre possível. [Ser empregada de bar] dá-me muito tempo para escrever, é um trabalho físico que me dá muita liberdade para fazer tudo o resto", explicou à Lusa.

Rita Vian, que recorda ter feito as primeiras gravações num canto do quarto, forrado a caixas de ovos para isolar o som, acrescenta: "Todos os dias gravo coisas de conversas cruzadas, que me dão frases muito estimulantes. E posso pegar naquilo, descontextualizar e são palavras-chave [para canções]".

Em tempo de pandemia, e estando ligada a dois setores fortemente abalados - restauração e música -, Rita Vian aproveitou o confinamento para compor, tendo daí saído o "Purga", "o verdadeiro projeto de quarentena", e a disposição para o EP "Caos'a", agora editado.

Leia Também: Britney Spears pede fim da tutoria e diz que quer casar e ser mãe de novo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório