Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2018
Tempo
24º
MIN 24º MÁX 25º

Edição

'Soldado Sabino' chega a França no centenário do fim da I Guerra Mundial

A tradução francesa de "O Soldado Sabino", uma alegoria sobre "a forma como a guerra canibaliza o ser humano", do escritor português Nuno Gomes Garcia, foi editado em França, dois meses depois do centenário da Batalha de La Lys.

'Soldado Sabino' chega a França no centenário do fim da I Guerra Mundial
Notícias ao Minuto

08:22 - 18/06/18 por Lusa

Cultura Livro

"Sabino, ou les tribulations d'un soldat portugais dans la Grande Guerre", traduzido de "O Soldado Sabino" por Dominique Stoenesco, é o primeiro romance publicado em França do escritor que, em 2014, foi finalista do Prémio Leya com a obra "O Dia em Que o Sol Se Apagou".

Editado em Portugal em 2012, "O Soldado Sabino" tem como protagonista um português que narra, na primeira pessoa, a sua passagem pelo norte de Moçambique e pelas trincheiras da Flandres durante a Primeira Guerra Mundial, anos depois de ter assistido ao regicídio de D. Carlos e do príncipe herdeiro, em 1908, e de se ter apercebido que sofre de uma maldição.

"O Sabino é uma alegoria sobre a forma como a guerra canibaliza o ser humano. O personagem protagonista do livro é um canibal e a minha ideia era tentar fazer uma metáfora a propósito da guerra, uma espécie de alegoria, porque a guerra é mesmo isso: a guerra é, de certa forma, a canibalização do ser humano", disse à Lusa Nuno Gomes Garcia.

O escritor, de 40 anos, decidiu fazer a tradução para francês porque "o interesse do livro é transnacional, metade passa-se em Portugal, metade passa-se em França" e também porque "há um desconhecimento grande por parte dos franceses sobre a participação de Portugal na Grande Guerra, aliás, a maior parte nem sabe".

A tradução do romance histórico, publicada pelas Éditions Petra, chegou às livrarias francesas no ano em que se celebra, em França, o centenário do fim da Primeira Guerra Mundial e dois meses depois das comemorações oficiais da Batalha de La Lys, nas quais participaram os presidentes português e francês, Marcelo Rebelo de Sousa e Emmanuel Macron.

O livro nasceu de uma vontade do autor de reagir contra "uma certa heroificação dos participantes da guerra" e contra a expressão "os soldados que lutaram pela liberdade" que foi inclusivamente usada "tanto pelo Presidente Macron, como pelo Presidente Marcelo Rebelo de Sousa" nas comemorações dos 100 anos da batalha que destroçou os soldados portugueses.

"É uma expressão francamente ridícula. É uma instrumentalização da história porque aqueles soldados não lutaram por liberdade nenhuma porque a Grande Guerra foi, de certa forma, um confronto imperialista entre os grandes impérios. A participação de Portugal na Grande Guerra não serviu, de todo, os interesses do povo português, muito menos o interesse daqueles soldados", considerou.

Nuno Gomes Garcia acrescentou que a Primeira Guerra Mundial foi o "canto de cisne do antigo regime", ou seja, resultou "do desespero" das elites aristocráticas dos impérios austro-húngaro, alemão, russo, britânico "que perceberam que o seu tempo estava a chegar ao fim" e "não se preocuparam nada em ter assassinado milhões de soldados de todas e mais diversas nacionalidades".

Através da personagem principal, o soldado Sabino, um autodidata dotado de um humor mordaz e de uma lucidez pragmática, o autor descreve os horrores da Primeira Grande Guerra, mostra as trincheiras portuguesas como "as mais repugnantes da Flandres" e não poupa o Corpo Expedicionário Português, nem os que foram consagrados como heróis, nomeadamente o soldado Milhões.

"Os pobres soldados portugueses vêm essencialmente do Norte e das aldeias do interior, muitos deles nunca viram o mar, muitos deles nunca entraram num barco, muitos deles nunca viram uma máquina e, de repente, veem-se na guerra mais industrial que a humanidade alguma vez conheceu", explicou, sublinhando que foi "irresistível aproveitar esse contraste".

Apesar de se tratar de uma ficção, Nuno Gomes Garcia contou que teve críticas de emigrantes portugueses em França que consideraram que ele "faltou ao respeito à memória dos soldados", algo que interpretou pelo facto de "a Primeira Guerra Mundial estar mais presente na memória dos portugueses de França do que nos que vivem em Portugal".

"A literatura tem de provocar" e Nuno Gomes Garcia, que mora em França há oito anos, também não poupou a emigração portuguesa no conto "O Sobrinho", integrado no livro "Homens que sofrem de sonhos", um conjunto de contos sobre a emigração, publicado em março.

"Eu acho que a literatura tem de ser crua, tremendista e com algum humor. Este conto é um mundo de vegetais que reflete a tragédia da emigração e de grupos da emigração de origens diferentes que se desprezam entre si. Às vezes os portugueses falam como se fossem menos emigrantes que os outros", concluiu.

Nascido em Matosinhos e licenciado em História e Arqueologia, Nuno Gomes Garcia é, ainda, autor de "O Homem Domesticado" (2017), uma distopia num regime totalitário comandado por mulheres e em que os homens são machos domesticados que lavam, cozinham, obedecem e saem à rua cobertos da cabeça aos pés.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório