Meteorologia

  • 10 AGOSTO 2022
Tempo
26º
MIN 17º MÁX 26º
Imobiliário Habitação "Não há casas suficientes para respo...

"Não há casas suficientes para responder à procura internacional"

O número de famílias estrangeiras que procuram Portugal para residir tem aumentado nos últimos anos e, em resultado, a procura de casa para comprar ou arrendar tem-se intensificado. Mas, nem sempre a oferta acompanha o movimento da procura, revela a consultora imobiliária Athena Advisers.

"Não há casas suficientes para responder à procura internacional"

Segundo revela a consultora imobiliária Athena Advisers, não há casas suficientes para conseguir dar resposta à lata procura internacional por casas. Isto porque o número de famílias estrangeiras que procuram Portugal para residir tem aumentado nos últimos anos e, em resultado, a procura de casa para comprar ou arrendar tem-se intensificado. Mas, nem sempre a oferta acompanha o movimento da procura, sustenta a mediadora em comunicado enviado ao Notícias ao Minuto.

“Lisboa continua a ser um destino de eleição para estrangeiros e a procura por serviços de relocalização e residências familiares continua a crescer”, começa por revelar David Moura-George, diretor geral da Athena Advisers em Portugal.

De acordo com os últimos dados do SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), o país assistiu pelo 5.º ano consecutivo ao aumento da população estrangeira residente, durante 2020. Mesmo em ano de pandemia, o número de residentes aumentou 12,2% em relação a 2019, com 71.747 novos estrangeiros a chegar ao país, lê-se no documento.

Nesse sentido, eis que surge um problema. “Não há propriedades suficientes em determinados segmentos para responder a esse acréscimo de procura”, salienta o diretor geral da mediadora. Uma situação poderá ter sido agravada pelo facto de em 2020 se ter registado “uma desaceleração acentuada no crescimento da construção residencial”, confirmada pelos dados do INE que mostram um aumento de 2,6% na emissão de licenças de habitação no ano passado, quando em 2019 este valor era de 18,4%.

“A manter-se a escassez de nova oferta e o crescente interesse dos compradores internacionais pelo mercado português, é compreensível que a disputa por determinado tipo de propriedades se intensifique", acrescenta o responsável.

"Geralmente, casas com mais de dois quartos, bem localizadas e desenvolvidas por empresas conceituadas são comercializadas em tempo recorde. É o que está a acontecer com o nosso último lançamento, o Santa Isabel, na Estrela, uma das zonas mais procuradas por compradores estrangeiros”, finaliza o David Moura-George.

Leia Também: Mercado de arrendamento em Portugal? "Alta procura, pouca oferta"

Campo obrigatório