Meteorologia

  • 21 MAIO 2022
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º
Imobiliário Habitação Onde é maior o valor dos contratos d...

Onde é maior o valor dos contratos de compra e venda de casas?

Em 2019, o concelho de Lisboa registou o maior valor dos contratos de compra e venda de casas ou propriedades urbanas e rústicas, revelam dados da PORDATA.

Onde é maior o valor dos contratos de compra e venda de casas?

A base de dados de Portugal contemporâneo, PORDATA, anunciou que em 2019, o maior valor dos contratos de compra e venda de casas ou propriedades urbanas e rústicas, foi visto no concelho de Lisboa. De acordo com os mesmos dados, o total do valor de prédios transacionados em Lisboa foi cerca de 462.062 euros, em média, sendo que o valor dos prédios urbanos fixou-se nos 461.342 euros médios e o valor dos prédios rústicos rondou os 1.909.769 euros medianos. Este foi o concelho que registou o maior valor mediano dos contratos de compra e venda de habitação, há dois anos, em Portugal.

Dados divulgados esta segunda-feira no PORDATA, mostram também que o valor médio total de prédios transacionados em Lisboa subiu face a 2000, tempo quando se registou 137.755 euros. Quando visto os valores das outras regiões portuguesas, verificou-se que esta foi a maior subida registada em 2019, no ranking da PORDATA referente ao valor médio total dos prédios transacionados.

Por referência ao valor médio total dos prédios transacionados e prédios urbanos, em 2.º lugar da tabela está Cascais que registou 346.661 euros, em 2019, no valor médio total dos prédios transacionados, e cerca de 348.436 euros nos prédios urbanos. Um lugar que é substituído pela cidade do Porto, quando vistos os valores medianos totais dos prédios rústicos. A Invicta surge assim em 2.º com o maior valor de prédios rústicos transacionados (1.147.420 euros em média).

Voltando ao valor médio total dos prédios transacionados, seguem-se os concelhos de Loulé, Lagos e Oeiras, a ocupar o terceiro, quarto e quinto lugares do ranking, respetivamente. Em Loulé, no ano de 2019, o valor médio total rondou à volta dos 265.271 euros. Já em Lagos, o valor fixou-se nos 236.191 euros, em média. Em Oeiras anotou-se 226.896 euros.

A ocupar os restantes cinco lugares do top 10, seguem-se os concelhos de Grândola em sexto lugar com 211.301 euros, Porto (206.282 euros em média) em sétimo, Albufeira (201.413 euros) em 8.º,  Lagoa (196.758 euros) em nono e a fechar os dez primeiros lugares da tabela do valor médio total de prédios transacionados está a Azambuja em 10.º, com 196.100 euros. 

Quatro municípios do Algarve com o maior valor médio total de prédios transacionados em 2019

Dados da PORDATA, mostram que quatro cidades algarvias ocupam o top 10 da tabela do valor médio total de prédios transacionados. O concelho de Loulé consta mesmo nos três primeiros lugares do ranking como uma das zonas com o valor médio total de prédios transacionados mais alto em 2019.

No Algarve, o valor médio total de prédios transacionados, em 2019, foi mais alto em Loulé, Lagos, Lagoa e Albufeira. 

Em Loulé, no ano de 2019, o valor médio total rondou à volta dos 265.271 euros. Já em Lagos, o valor mediano fixou-se nos 236.191 euros. Em Albufeira o valor médio total fixou-se nos 201.413 euros. Por seu lado, na Lagoa o valor mediano foi de 196.758 euros, em 2019.

Leia Também: Cadastro rústico em Coimbra arranca na próxima semana

Campo obrigatório