Meteorologia

  • 31 JULHO 2021
Tempo
22º
MIN 17º MÁX 23º

Edição

Imobiliário Habitação Empregadas domésticas. Maioria está ...

Empregadas domésticas. Maioria está a tentar viver com 250€ por mês

Clientes não querem receber pessoas fora do agregado familiar, levando assim à perca de quase 50% dos lucros habituais dos profissionais de serviço doméstico.

Empregadas domésticas. Maioria está a tentar viver com 250€ por mês
Notícias ao Minuto

15:07 - 13/04/21 por Notícias ao Minuto 

Casa Empregadas domésticas

A pandemia tem arrasado com o setor dos serviços desde Março 2020, e as empregadas domésticas não foram exceção: perderam 40% dos clientes e viram-lhes reduzidas as horas de trabalho. A grande maioria está mesmo a tentar viver com apenas 250€ por mês, revela nota enviada ao Notícias ao Minuto.

A insegurança por parte dos clientes em receber pessoas alheias ao agregado familiar, levou a uma quebra de 240€ mensais a cada profissional, o que representa quase 50% dos seus lucros habituais, revela comunicado, de acordo com o inquérito realizado pela Fixando.

O facto das pessoas também estarem mais tempo em casa, fez com que passassem a fazer as limpezas sozinhos. Este fator, quando conjugado com os impedimentos de deslocação provocados pelas medidas restritivas, resultam num cenário catastrófico para estes profissionais”, revela Alice Nunes, diretora de Novos Negócios da plataforma.

Feitas as contas, 62% dos profissionais inquiridos, estão a receber menos de 250€ por mês, que se traduz numa quebra bastante acentuada, quando comparada com períodos de trabalho pré-pandemia.

Em comunicado, da parte dos clientes que contratam os serviços, apenas 36% dos questionados têm empregada doméstica, sendo que gastam um valor médio de 270€ por mês, em serviços com uma regularidade de 1 a 3 vezes por semana.

Para os que não recorrem a estes serviços, apontam como principais motivos não sentir necessidade (50%), falta de disponibilidade financeira (35%), não ter encontrado uma pessoa de confiança (15%) e insegurança devido ao contexto pandémico (6%).

A insegurança não parte só dos clientes mas também dos profissionais, cujos 39% se sentem desconfortáveis em realizar limpezas, devido ao risco de contágio. Ainda assim, não pararam de o fazer, devido às dificuldades financeiras que enfrentam neste momento.
 
“Na Fixando, conseguimos concluir que há de facto uma quebra acentuada na procura por estes serviços, sendo que, após abril de 2020, foi possível uma ligeira recuperação que durou até setembro, onde os valores da procura voltaram a cair. Com uma recuperação mínima em janeiro de 2021, o sector volta a sofrer o impacto do confinamento no mês de fevereiro, conseguindo recuperar em março, ainda que para valores muito afastados da realidade pré-pandemia” explica ainda a mesma responsável, citada em comunicado.

Note que o preço por hora de um serviço de limpeza de casa na Fixando ronda os 8€, não tendo sido detetado oscilações no mesmo.

Leia Também: Onde há mais trabalhadores domésticos a contribuir para a Seg. Social?

Campo obrigatório