Meteorologia

  • 12 MAIO 2021
Tempo
17º
MIN 13º MÁX 22º

Edição

Vozes ao Minuto

Vozes ao Minuto

Vozes com opinião. Todos os dias.

Trump? "Prefiro dizer que encontro qualidades excecionais em Hillary"

Na segunda parte da entrevista que concedeu ao Notícias ao Minuto, o ministro dos Negócios Estrangeiros discorreu acerca dos temas quentes da política internacional. Instado a partilhar a sua opinião sobre o candidato republicano à presidência dos Estados Unidos, Donald Trump, Augusto Santos Silva preferiu enaltecer as qualidades da democrata Hillary Clinton.

Trump? "Prefiro dizer que encontro qualidades excecionais em Hillary"
Notícias ao Minuto

10/08/16 por Inês André de Figueiredo com Elsa Pereira

Política Santos Silva

Que António Guterres é o candidato que melhor serve o lugar de secretário-geral da ONU, Augusto Santos Silva, não tem dúvidas. E que Hillary Clinton é a melhor candidata na corrida à Casa Branca também não. Sobre o Brexit, o governante deixa alguns recados ao Reino Unido e em relação ao impasse político em Espanha faz sobressair as diferenças que impedem uma solução 'à portuguesa' no país vizinho. Aqui está a segunda parte da entrevista exclusiva ao ministro dos Negócios Estrangeiros.

Disse que "não está escrito que tem de ser uma mulher" a ser eleita secretária-geral da ONU. O que poderá acontecer para António Guterres perder a corrida?

A corrida não está ganha. O processo de designação do secretário-geral é complexo e demorado e nós estamos apenas na fase inicial em que há votações indicativas. Nas duas votações que já houve, ambas mostraram a excelência da candidatura do engenheiro António Guterres e vamos aguardar o processo até o Conselho de Segurança chegar a um consenso sobre o candidato que há-de apresentar à Assembleia-Geral.

Corrida não está ganha mas Guterres preenche todos os critérios"

O engenheiro António Guterres cumpre todos os critérios que foram comunicados aos Estados quando, em dezembro do ano passado, o presidente do Conselho de Segurança e Assembleia-Geral convidaram os Estados-membros que o entendessem a apresentar candidaturas.

Esses critérios são e cito: a diversidade regional, o que quer dizer que agora não pode ser um asiático, a experiência política, as competências linguísticas e diplomáticas e que estimulava o aparecimento de candidaturas de homens e mulheres. O engenheiro cumpre todos estes critérios. É homem, não é asiático, tem competências multilinguísticas, tem uma larga experiência política, tem desempenho em cargos internacionais absolutamente excecional. Do nosso ponto de vista é o melhor candidato e é muito reconfortante verificar que nas duas primeiras votações essa sua qualidade é amplamente reconhecida.

Por outro lado, atravessando o oceano, está escrito que é uma mulher a vencer as eleições dos Estados Unidos?

Não está escrito. Espero que sim, que seja. Sou socialista, sou da Esquerda Social-Democrata Europeia, cuja correspondência natural na América são os democratas, e espero que a senhora Hillary Clinton seja a próxima presidente dos EUA. Mas esta é uma opinião pessoal, o Governo português respeita a decisão soberana do povo americano.

E se esse não for o desfecho, como será o mundo com Donald Trump como presidente dos Estados Unidos (EUA)?

Viveremos com o presidente eleito dos EUA, que trataremos como sempre tratámos um presidente dos EUA, o presidente de uma das nações com que Portugal tem relações diplomáticas mais fortes e uma cooperação estreita, nomeadamente no domínio sempre crítico da segurança e da defesa.

Sendo uma pessoa tão controversa, tem uma opinião sobre ele?

Tenho, claro.

Quer partilhá-la?

Enquanto ministro dos Negócios Estrangeiros, prefiro não o fazer. Prefiro ir pelo lado positivo e dizer que encontro qualidades absolutamente excecionais na candidata Hillary Clinton.

Em relação ao Brexit, o que o preocupa mais?

Havia duas coisas que me preocupavam muito e que julgo que já estão superadas. A primeira era o facto de o resultado do referendo no Reino Unido poder despertar na Europa um período de turbulência, designadamente nos mercados financeiros, absolutamente indesejável ou potenciar o efeito dominó, isto é, aumentar a força daqueles que pedem decisões semelhantes nalguns outros países europeus. Essa primeira preocupação está dissipada. A segunda era a de que a vitória do sair do referendo britânico desencadeasse junto dos restantes Estados-membros europeus uma atitude de menor compreensão e alguma agressividade face aos britânicos.

Incidentes xenófobos com emigrantes portugueses foram esporádicos"

De resto, esperamos que os britânicos apresentem, tão depressa quanto possível, o pedido formal para o início das negociações para a saída porque essas negociações devem ser feitas formalmente e com o conjunto dos 27. E não deve haver tentações de negociar previamente de modo informal com alguns Estados-membros.

Os nossos emigrantes ficaram mais expostos a manifestações de xenofobia depois do Brexit?

Foram incidentes esporádicos, no início, e não temos conhecimento de nenhuns incidentes que tenham passado dos primeiros dias.

Mas será o bastante para as pessoas quererem regressar a Portugal?

Julgo que não, que será possível quer na negociação da União Europeia com do Reino Unido, quer na relação bilateral entre Portugal e o Reino Unido, encontrar uma solução que ao mesmo tempo respeite os direitos e os interesses dos residentes portugueses e os direitos e interesses dos residentes britânicos em Portugal. Confio nisso.

Agora, há aqui um elemento muito importante que o Reino Unido tem de compreender. Não é possível fazer parte do espaço económico europeu e não aceitar a livre circulação de trabalhadores nesse espaço. Isso é um dos vários argumentos falaciosos que a campanha pela saída desenvolveu. Não é possível fazer parte do espaço económico europeu e recusar uma das quatro liberdades: circulação de capitais, de bens, de profissionais e de serviços.

Espanha tem em mãos uma situação difícil de resolver, uma solução 'à portuguesa' facilitaria?

Não é possível uma solução ‘à portuguesa’ em Espanha. A solução ‘à portuguesa’ foi possível em Portugal por várias razões. Em primeiro lugar, Portugal não tem uma questão de nacionalidades; em segundo lugar, a relação de forças entre o Partido Socialista, de um lado, e os restantes partidos à Esquerda, do outro, é uma relação de forças muito clara; em terceiro lugar, não há questões de natureza programática em pontos capitais que divida o PS e os restantes partidos à Esquerda em Portugal da mesma forma que dividem o PSOE e o Podemos em Espanha. Compreendo que as condições para haver um governo de Esquerda em Espanha sejam muito diferentes das condições que havia em Portugal.

Poderá ler a primeira parte desta entrevista aqui e a terceira aqui.

Campo obrigatório