Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2019
Tempo
18º
MIN 11º MÁX 19º

Edição

Vozes ao Minuto

Vozes ao Minuto

Vozes com opinião. Todos os dias.

"Eu fui insuportável. Agora não mais porque a gente aprende"

Estivemos à conversa com Miguel Falabella a propósito da estreia do filme 'Sai de Baixo' em Portugal.

"Eu fui insuportável. Agora não mais porque a gente aprende"
Notícias ao Minuto

24/05/19 por Mariline Direito Rodrigues

Fama Miguel Falabella

Tal como Marisa Orth, Miguel Falabella veio a Portugal promover o filme inspirado na série 'Sai de Baixo'. O Notícias ao Minuto esteve à conversa com o ator que confessou ser um enorme fã de Portugal, sobretudo de especialidades como pudim de abade priscos e leitão da Mealhada.

Como é que apresentaria o filme 'Sai de Baixo'?

Acho que o filme é melhor compreendido para quem viu a série, mas também para quem não viu penso que conseguem se divertir. É claro que quem tem intimidade com as personagens aproveita muito mais, mas para nós sempre foi uma alegria tanto na televisão como no filme.

Tendo em conta que passaram tantos anos considera que o humor mudou?

Acho que o humor é o reflexo da civilização. Mas a civilização como um todo caiu no nível de educação.

Caiu?

Caiu muito. As pessoas leem menos, são menos informadas, o humor ficou menos verbal e mais físico. Não há nenhuma crítica nisso, é o que é. O mundo muda e as coisas mudam. Eu não posso me queixar, trabalho até hoje, tenho respeito dos meus pares, sou muito reverenciado pelas novas gerações, acho isso muito bom.

O teatro não é para quem quer é para quem pode E nota esse lapso relativamente à nova geração de atores, o facto de não se preparem devidamente e de se fascinarem com o mundo da televisão?

Isso sempre existiu, a televisão é pop, isso é o fenómeno televisivo. Isso é da natureza do veículo. Televisão mistura tudo, mistura Fernanda Montenegro com um menino que é bonito, porque fazia um anúncio de cuecas e entra. O teatro é outra coisa. O teatro não é para quem quer é para quem pode.

Numa polémica em que esteve envolvido recentemente, o Miguel foi acusado de ‘gordofobia’, porque disse a um jovem ator que tinha de emagrecer. Na altura não foi bem entendido, certo?

Não sei, também não estou preocupado. Ele me pediu uma opinião. Ele disse que era gordo e que não conseguia papéis e eu respondi: "Então emagreça". O que é que quer que eu faça? Acha que de repente o mundo vai mudar? O mundo não vai mudar. As pessoas são assim, as pessoas têm padrões estéticos, não fui eu que inventei o mundo assim. Não acho que ele deixe de trabalhar, há tantos atores gordos que são ótimos. [Mas] Se quer ser galã há um padrão.

E os galãs têm mais trabalho?

Ah, sim. Ganham muito mais.

Então continua a existir o estigma?

Claro, acha que o ser humano é bom? Não tem nada de bom, não deu certo.

Notou isso na sua profissão, que o ser humano é traiçoeiro?

Tem valores errados, mas tem muita gente boa também.

Acho que tem muita gente idiota que ganhou voz com as redes sociais Lida-se bem com os outros que não são "gente boa"?

Sim, acho que tem de se aprender a viver com todo o tipo de pessoas. Hoje em dia toda a gente é muito opinativa. Eu concordo com o Umberto Eco, acho que tem muita gente idiota que ganhou voz com as redes sociais, mas é bom que as pessoas falem, o importante é você saber a quem ouvir. Eu só ouço pessoas que acho que devo ouvir, o resto…

As pessoas querem ser opinativas e acham que isso é uma maneira de colocar a cabeça acima da manada Se tivesse de dar um conselho a um jovem que quisesse começar uma carreira como ator o que é que diria?

Estude, seja diferente, saia na frente, saiba mais do que os outros, tenha mais foco. Eu sempre fui muito focado, sempre soube o que queria e fui sempre muito apaixonado pelo meu ofício. Há sempre gente a querer dizer-te muitas coisas, então aprenda a ouvir, isso é fundamental, principalmente agora. Agora é o momento de você saber o que ouvir e o que não ouvir. Diz-se qualquer coisa a qualquer momento. Qualquer besteira. As pessoas querem ser opinativas e acham que isso é uma maneira de colocar a cabeça acima da manada.

Então, as redes sociais trouxeram mais coisas positivas ou negativas?

Acho que é meio a meio. Há coisas muito positivas e há coisas abomináveis. Há verdadeiros massacres, muito ódio, muita polarização. Num país como o Brasil onde há uma grande lacuna educacional a gente ouve qualquer barbaridade. Mas nem estou nem aí. Apago e bloqueio.

Eu fui insuportável  

Como lidar com o próprio ego? É difícil impedir que nos domine ou chegou a cair nisso?

Eu fui insuportável. Agora não mais porque a gente aprende. Mas houve uma época em que nem eu me suportava. Mas a vida acaba por te ensinar.

Agora em Portugal, quais as especialidades portuguesas a que não resiste?

Pudim de abade priscos. Tive também muita pena de não ter tido tempo para ir à Mealhada comer leitão.

O filme 'Sai de Baixo' estreia hoje. A trama será exibida às 21h30h em todos os cinemas NOS.

Campo obrigatório