Meteorologia

  • 21 OUTUBRO 2018
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Vozes ao Minuto

Vozes ao Minuto

Vozes com opinião. Todos os dias.

"Um vídeo com miúdos na cama vai parar rapidamente a sites pornográficos"

Francisco Salgueiro é o autor de vários livros sobre a realidade dos adolescentes em Portugal. Depois do impacto de ‘O Fim da Inocência’, que, inclusive foi adaptado ao cinema, volta lançar um livro que promete dar que falar e ser um alerta para os pais. O escritor é hoje o entrevistado do Vozes ao Minuto.

"Um vídeo com miúdos na cama vai parar rapidamente a sites pornográficos"
Notícias ao Minuto

22/08/18 por Natacha Nunes Costa

Cultura Francisco Salgueiro

Perder a virgindade aos 12 anos, consumir drogas e até calmantes para gatos bravos, fazer sexo com desconhecidos sem preservativo, enviar 'nudes' e filmar as relações sexuais é uma realidade na vida de muitos adolescentes portugueses que os pais desconhecem ou preferem ignorar. Mas Francisco Salgueiro volta a pôr o ‘dedo na ferida’ e a revelar que, oito anos depois de ‘O Fim da Inocência – O Diário Secreto de uma Adolescente’, as coisas mudaram… para pior.

As relações sexuais acontecem cada vez mais cedo e sem qualquer tipo de preocupações, os adolescentes consomem cada vez mais estupefacientes como se de tabaco se tratasse e regem a sua vida sem pensar nas consequências que no futuro, para eles tão longínquo, estas atitudes podem trazer quer a nível profissional, quer pessoal.

De acordo com o escritor, os jovens chegam mesmo a arriscar a vida só para serem aceites no grupo de amigos. Têm medo de não aproveitarem tudo ao máximo e não terem histórias para contar aos seus pares. Guiam-se pelo Yolo [You Only Live Once], porque só vivem uma vez, mas depois, além das doenças sexualmente transmissíveis, das gravidezes não desejadas, das repercussões que o consumo de drogas pode trazer, chegam muitas vezes ao estado de tédio, de quem já fez tudo na vida, com o qual não conseguem lidar.

E é esta realidade, nua e crua, que Francisco Salgueiro mostra no seu mais recente livro ‘SDS - Sexo, Drogas e Selfies’.

Isto não é mentira nenhuma, isto não é uma aldrabice, não é um mito urbano que se conta para meter medo, é a realidadeEm 2010 escreveu o primeiro livro sobre a vida de excessos que muitos adolescentes portugueses levam e que muitos pais não têm noção. Oito anos anos depois do primeiro volume do ‘Fim da Inocência’, volta a escrever sobre esta temática. O que mudou entretanto?

Uma coisa mudou e uma manteve-se. Os pais continuam a achar que a vida dos adolescentes é muito semelhante à vida que eles tiveram quando eram adolescentes. Continuam a achar que uma bebedeira é normal, que fumar charros é normal. Havia sempre um ou outro que cheirava cocaína, portanto, também é normal. A parte que está completamente diferente, e daí a necessidade que tive em escrever este novo livro, é que tudo isto está a começar cada vez mais cedo e cada vez com maior capacidade dos miúdos terem acesso a este tipo de drogas e a fazerem sexo. Portanto houve esta necessidade de voltar a alertar os pais. Isto não é mentira nenhuma, isto não é uma aldrabice, não é um mito urbano que se conta para meter medo, é a realidade.

Em que difere este novo livro – ‘Sexo, Drogas e Selfies’ – dos dois volumes ‘O Fim da Inocência’?

Os outros dois volumes do ‘Fim da Inocência’ eram histórias reais do princípio ao fim, ou seja, havia um narrador que era uma personagem que existia na realidade e que contou uma história do principio ao fim. Este livro é uma recolha de várias histórias que compilei numa só história, arranjei uma personagem que incorpora as várias histórias que eu fui recebendo ao longo dos tempos.

Quando escrevo o ‘Fim da Inocência’, começam a chover e-mails com histórias novas, com histórias que me deixaram boquiaberto e daí a necessidade de escrever o segundo livro. Em Portugal, devo ser o maior repositório que existe em termos de histórias que acontecem com adolescentes. Os adolescentes vêm a mim como aquela pessoa que não os julga, em que podem confiar, porque de facto eu nunca disse quem eram as personagens do 'Fim da Inocência I e II'. Por semana, recebo algumas dezenas de histórias de miúdos.

Tive vários miúdos a dizerem-me que a cocaína era uma droga leve, por isso é normalíssimo começarem cada vez mais cedoO título 'Sexo, Drogas e Selfies' é bastante provocador. Porquê esta escolha?

Porque de facto são aquelas três áreas em que os adolescentes hoje em dia estão mais focados. Muito focados no sexo e cada vez numa idade mais precoce, nas drogas, porque para eles as drogas são como para nós um cigarro. Tive vários miúdos a dizerem-me que a cocaína era uma droga leve, por isso é normalíssimo começarem cada vez mais cedo. E depois as selfies porque esta nova geração é uma geração que vive de serem os realizadores das suas próprias vidas, em que mantêm uma aparência em que está tudo fantástico na selfie, mas que basta tirar a fotografia, que voltam exatamente ao mesmo ar enfadonho que tinham antes de a tirar. Acabam todos por entrar num estado de euforia com as selfies para mostrar aos outros que seguem o Yolo [You Only Live Once, Só Vives Uma Vez, em português] e que aproveitam tudo ao máximo.

E há ligação entre estas três palavras? Ou seja, os jovens gostam de mostrar, através das redes sociais, das selfies e das 'instastories' que consomem drogas e têm relações sexuais?

Gostam, gostam muito de mostrar que fazem isso, não através das selfies mas entre eles próprios. Aliás eles próprios fazem para eles. O grande problema é que há uma total ausência de cuidado com aquilo que fazem. Por exemplo, no livro o que acontece é que as fotografias eram automaticamente colocadas na cloud (nuvem), mas quando são apagadas, não são apagadas da cloud, portanto, uma das personagens, que tinha acesso à cloud de outra personagem conseguiu aceder ao repositório das fotografias. Eles não fazem as coisas numa de exibicionista, fazem para eles, mas depois não têm cuidado nenhum.

E é fácil roubar um telemóvel que tenha vídeos e fotografias onde dois miúdos estão na cama e estas imagens irem parar, muito rapidamente, a sites pornográficos como o pornhub, ou o more tube onde é só preciso fazer o upload. E os miúdos não têm noção nenhuma disso.

Quando vou às escolas dar palestras digo-lhes: ‘se querem tirar fotos eróticas, tirem, mas não tirem com a cara. Porque uma coisa é uma fotografia ao corpo, que pode ser igual a mil corpos diferentes, outra coisa é uma pessoa tirar uma fotografia ao seu corpo todo nu, ou na cama com o namorado, onde se veem as caras. Isso fica na internet para sempre. Uma vez na internet, na internet para sempre. E essa pessoa, que hoje em dia tem 13, 14 anos, nem pensa em mais do que um, dois dias para a frente na vida delas, mas daqui a 20 anos esse vídeo estará na net, essa pessoa vai ter filhos, vai ter um trabalho e o vídeo continua a lá estar. Além disso, os empregadores pesquisam cada vez mais quem são as pessoas que estão a contratar e vão encontrar aquilo facilmente. Não sou ao ingénuo ao ponto de achar que eles não vão tirar este tipo de fotos, por isso é que lhes digo: “façam mas não mostrem a cara”.

É fácil roubar um telemóvel que tenha vídeos e fotografias onde dois miúdos estão na cama e estas imagens irem parar a sites pornográficosE quanto às drogas, os adolescentes e hoje em dia preferem quais?

Eles basicamente consomem tudo o que lhes aparece pela frente. É uma geração muito estranha, que quer aproveitar tudo. É a tal história do Yolo [You Only Live Once, Só Vives Uma Vez, em português], ou seja, se alguém lhes dá uma pastilha para eles tomarem, eles tomam e nem questionam. Se alguém lhes diz: ‘toma lá ketamina que é ótimo, que é um calmante para gato bravo e que só com uma vez pode queimar completamente o cérebro, eles tomam porque é uma experiência nova, uma experiência diferente. Os miúdos já me contaram que, quando consomem ketamina, veem tudo a derreter à sua volta, a pessoa perde noção de quem são as pessoas com quem está, há violações a torto e a direito, porque acham que estão na cama com o namorado e portanto fazem aquilo que a outra pessoa quer.

Já a cocaína, para estes miúdos, é como se fosse tabaco, a erva basicamente nem conta. É a coisa mais banal do mundo e a cocaína também, eles querem experimentar porque já viram os mais velhos, e quando dizemos mais velhos não estamos a falar de jovens com 20 anos, mas sim de 15 e 16. Os miúdos acham que se os mais velhos tomam e estão vivos, não há nenhuma razão para não tomar.

Já heroína não, heroína de maneira nenhuma. Para eles heroína é uma droga. Tudo o resto não é droga. Tudo o resto é diversão. Tudo o resto não faz parte do mundo das drogas. A heroína para eles é uma droga suja, que faz as pessoas ficarem feias, que faz as pessoas ficarem deformadas.

Este livro é baseado em histórias de adolescentes com que idades?

Neste livro, e já me acontecia no meu primeiro livro, tenho testemunhos de adolescentes com comportamentos de risco a partir dos 12 anos. A terem vontade de experimentar, vontade de ir mais longe. Por exemplo, neste livro, há uma miúda que perde a virgindade ali à volta dos 12, 13 anos, uma miúda que precisava de se integrar no grupo das amigas, das amigas que já não eram virgens. Hoje em dia há uma grande pressão, porque para eles tudo isto é banal. Há uma banalização do sexo, não há uma relação, que é algo muito importante sobretudo nestas idades em que eles estão em crescimento. Eles têm de perceber que, se não criarem uma ligação, se só tiverem relações sexuais sem que haja qualquer espécie de afeto há uma altura que eles entram, como entraram no ‘Fim da Inocência’, num estado de tédio, do estilo: já experimentámos tudo, já experimentámos drogas, já experimentámos sexo, a nossa vida é um tédio, já não há nada de jeito para experimentarmos na nossa vida.

Tudo isto é uma bomba prestes a explodir a qualquer momento Este tipo de experiências surge para os jovens se sentirem integrados nos grupos, ou porque têm outro tipo de problemas?

Costumo dizer muitas vezes a pais amigos meus, que podem dar a melhor educação possível aos filhos - e quanto melhor for a educação dada aos filhos, menor é a probabilidade de os miúdos se meterem neste tipo de situações - mas há uma coisa que nunca nos podemos esquecer, que é o grupo de amigos que está no colégio ou na escola e quanto a esse não há nada a fazer.

Uma pessoa que tenha predisposição para se meter em problemas, por muito que os pais a tenham educado muito bem e explicado que as drogas não são boas, etc, se quiser ser aceite por um grupo e esse grupo tiver comportamentos destes, mais tarde ou mais cedo, é obrigada a fazer o mesmo para ser aceite.

Na minha geração, era o fumar, bastava fumar um cigarro e a pessoa fazia parte do grupo. Hoje em dia não, estamos a ver miúdas com mais ou menos 12, 13 anos a irem para a cama muito, muito cedo, a usarem maquilhagem porque tapa as borbulhas, maquilham-se como se tivessem 16 anos e vão para o colégio assim. Há um desenvolvimento corporal muito precoce, parecem miúdas mais velhas e isso liberta hormonas fazendo com que os rapazes queiram muito mais rapidamente ter sexo. Tudo isto é uma bomba prestes a explodir a qualquer momento.

E chega a conhecer esses adolescentes ao vivo?

Sim, a maior parte das vezes, aliás, a maior parte das histórias conhecia-as ao vivo, um bocadinho para os ouvir porque para mim já me é fácil perceber onde é que há uma mentira ou se a história é verdadeira.

E como percebe isso?

Basta conversar um bocadinho com eles para perceber quem é que está a tentar aparecer num livro e quem simplesmente me está a tentar contar uma história. Normalmente, desconfio sempre muito dos que querem que conte a história deles, que me dizem ‘olhe tenho uma história muito interessante’. Quando me dizem ‘gostava de conversar consigo porque tive comportamentos muito semelhantes ao da Inês’ e contam-me logo que aconteceu isto e isto e isto, encontro-me com eles, falo com eles, duas, três, quatro, cinco vezes, o número de vezes necessário, até ter a certeza de que aquilo tem veracidade.

E os adolescentes não se revoltaram consigo por expor esta realidade? Não mandam mensagens menos agradáveis? Não o abordam de uma forma menos positiva?

Não, nunca! Eles gostam muito de sentirem que estão a ser quase validados, ou seja, eles sentem que há quem os compreenda. São tão infantis ainda que sentem que é giro existir alguém que escreva sobre como é que eles funcionam. Eles reveem-se no livro.

Nenhum me disse ‘está a revelar os nossos segredos’ porque eles estão-se nas tintas, isto para eles é tudo uma brincadeira e muitos partem de casas que não estão devidamente estruturadas.

Um pai que more na Costa da Caparica, em Almada e que demora quatro horas por dia entre ir e vir e chegue ao final do dia a casa cansado, acredito que seja muito complicado dar a educação mais adequada aos filhos.

Hoje em dia, os pais não podem apenas ter ‘a’ conversa que existia, há uns anos, e que era, basicamente, sobre sexo

E o que é que os pais podem fazer para existir menos probabilidade dos filhos enveredarem por estes caminhos?

Quando escrevi o ‘Fim da Inocência I’, as pessoas diziam que as coisas que eu contavam eram um exagero, lembro-me perfeitamente que as pessoas não acreditavam de todo naquilo, até que começaram a aparecer nos meios de comunicação social primeiras capas de coisas de que eu falava no livro. Portanto, mesmo que os pais não acreditem no livro, enquanto pais, têm obrigação de estar atentos à comunicação social e ao que acontece e deviam aproveitar isso como tópico para conversarem com os filhos.

Hoje em dia, os pais não podem apenas ter ‘a’ conversa que existia, há uns anos, e que era, basicamente, sobre sexo. Hoje em dia, tem de haver várias conversas sobre tudo aquilo que está a acontecer. Se eles sabem que a cocaína é consumida de uma forma muito ligeira, eles têm de falar com os filhos e dar a entender que de facto é uma droga pesada, que causa depressão e que pode causar vários problemas quando consumida numa idade tão precoce. Tem de existir muita conversa e tem de haver uma relação muito próxima entre as famílias.

As escolas também têm de investir nesta educação e nestas conversas. Vejo muitas falhas na grande maioria das escolas onde eu já dei palestras. Por exemplo, há uns tempos, dei uma palestra, numa escola do Interior do país - isto para se perceber que não é só no Litoral e em escolas com dinheiro que estas coisas acontecem -, uma escola secundária perfeitamente normal e, no fim, depois de eu ter exposto todas estas problemáticas, o diretor da escola, que já era um senhor com 60, 70 anos chega ao pé de mim e diz-me assim: ‘olhe, o pior problema que eu tenho na minha escola é ver os miúdos no corredor a beijarem-se na boca uns dos outros’. E eu pensei: ‘mas eu estive aqui durante 40 minutos a falar para quem?!’. Este senhor não percebeu nada, porque o problema é outro, não tem nada a ver com beijos na boca, tem a ver com drogas, tem a ver com sexo que fazem nas casas de banho uns com os outros.

Mas depois tenho os professores mais novos dessa mesma escola a contarem que há uma festa, todos os meses, numa casa abandonada, onde os miúdos compram droga pela internet e vão todos para lá e onde há grandes orgias. E para o diretor da escola, que é quem tem poder para ajudar a mudar isto, isto é uma miragem. É uma negação tão grande, sobre aquilo que se passa, sobre esta realidade, que eles não sabem como é que vão lidar com isto.

Como é que um professor vai lidar com um miúdo que compra droga pela internet? Isto não cabe na cabeça de um professor, muito menos na de um diretor com cerca de 70 anos. Porque nem tem acesso à internet provavelmente, nem sabe como se manda um e-mail, como o nosso antigo Presidente da República, Cavaco Silva. Como é que um homem com 70 anos vai perceber que há uma coisa chamada selfie, que há uma coisa chamada 'nude' e por aí em diante. A própria escola, o tal segundo círculo que devia servir de amparo para os miúdos que não têm o apoio do primeiro círculo, que é a família, não existe de todo.

E quanto aos pais, entram em contacto consigo?

Tenho apanhado mais pais noutra situação que me preocupa mais, que são pais que me dizem: ‘tenho muito medo de ler o seu livro’. E isso é a versão soft, a versão hard é ‘eu não vou ler o seu livro de todo porque tenho medo’. Portanto, infelizmente, há pais que têm medo de olhar para a realidade. Porque para eles os filhos são exemplares e isto nunca lhes vai acontecer. E esperemos que isso nunca aconteça, obviamente que estas realidades que eu exponho não são a realidade da grande maioria dos miúdos. Aquilo que aconteceu com a Inês no primeiro livro, ou que acontece no segundo livro são casos muito pontuais, mas que acontecem. Só por que o filho não consome cocaína aos 13 anos, não quer dizer que não tenha perdido a virgindade aos 12 depois de ver filmes pornográficos. Os miúdos hoje em dia têm acesso à pornografia desde muito cedo e querem logo imitar estes filmes onde, na maioria dos casos, não são usados preservativos. E aí os miúdos pensam: ‘se eles não têm problemas de saúde, nós também não vamos ter’.

Por isso é que a Sida é um problema tão longínquo para esta geração, porque já não é uma doença terminal como era há uns anos.

São muitos poucos os casos, mas muito poucos mesmo, em que os adolescentes têm relações sexuais protegidasE quais são as maiores preocupações dos pais?

Acho que os pais continuam muito focados na gravidez porque era o bicho papão da geração deles, mas esquecem-se de que para a filha engravidar é porque teve relações sexuais sem preservativo, ora se isso aconteceu, a minha maior preocupação não é a gravidez é a quantidade de parceiros que ela teve e com os quais não usou preservativo. Esse é o maior problema.

Os adolescentes de agora vão para os parques de estacionamento ter relações sexuais com desconhecidos, que não fazem a mínima ideia quem são. Tomam a pílula e o perigo de ser mãe de facto desaparece mas existem as doenças infectocontagiosas e quanto a isso os pais não estão muito preocupados porque acham que os filhos, por milagre, usam preservativo sempre que têm relações sexuais. E são muitos poucos os casos, mas muito poucos mesmo, em que os adolescentes têm relações sexuais protegidas. Muito poucos mesmo.

Mas acha que há falta de comunicação entre pais e filhos, é isso?

A comunicação é fundamental. Se não há comunicação entre pais e filhos, não há nada. O problema é que há sempre aquela questão que é: ‘o meu pai é aquele velho, chato e a minha mãe é a velha chata e estão aqui a dar-me sermões de moral e eu não estou com pachorra para os aturar’. E esse para mim é um grande problema, difícil de resolver. Como é que um pai, que não tem uma boa relação com os filhos desde que estes são muito pequenos, vai tentar criá-la quando os filhos têm 13 anos? Não. Os pais têm de ter desde muito cedo uma excelente relação com os filhos. Não pode ser uma relação excessivamente abafadora, deve ser uma relação que os guia para um determinado caminho.

E não podem cair naquele erro de quererem ser amigos dos filhos. Os amigos são uma coisa, os pais são outra. Os amigos são para as pessoas fazerem os disparates, os pais são para orientar. E há muitos pais, que porque passam muito pouco tempo com os filhos, acham que têm de ser amigos ou companheiros. Vão para a noite, dão-lhes umas bebidas, dão-lhes uns cigarros até um charros para eles experimentarem. De facto, isso é o papel da relação entre eles, entre amigos e não com os pais ao barulho. O papel dos pais é precisamente puxá-los para o outro lado e essas coisas têm esses efeitos, agora também não é proibir, não vais fumar um charro ou cheirar cocaína, não porque isso ainda vai fazer pior. O papel de um pai é dizer: ‘tu até podes cheirar cocaína mas isso vai ter estes efeitos na tua vida. Portanto, é isso que pretendes?’.

E a mesma coisa para as imagens sexuais. Não é proibir de eles se filmarem e fotografarem a ter sexo mas explicar as consequências desses atos. Estas imagens podem ter uma repercussão muito negativa na vida profissional, na vida pessoal, os ‘atores’ podem ser alvo de bullying, podem ser alvo de muitas situações que não são as melhores, portanto, estas linhas de orientação são muito mais didáticas do que as da proibição. O ‘fruto proibido é o mais apetecido’.

Então, mas estes problemas resultam de falta de informação?

Não, eles têm a informação toda que quiserem. Eu não nasci no tempo da internet, a internet apareceu quando eu era adolescente, portanto eu não nasci com internet, mas estes miúdos nascem com internet, eles têm toda a informação do mundo aos pés deles, é só pesquisar, só que eles não vão pesquisar porque o que lhes interessa é quando alguém lhes diz: ‘tenho aqui uma pastilha fantástica, que acabou de chegar até mim’ eles usufruem disso.

Um exemplo muito concreto. Falei com uma miúda que tinha tomado ketamina quase como se trata-se de uma troca, de um favor sexual, ou seja, havia um rapaz que queria ir para a cama com ela e ela não queria ir para a cama com ele e ele disse: ‘tenho aqui uma coisa fantástica em casa que tu vais adorar, uma coisa chamada K’. E ela foi lá a casa, ele tinha ketamina, deu à miúda, foi para a cama com ela e houve aqui uma troca de um favor, quase uma prostituição, ou seja, ‘para ter sexo contigo dou-te uma coisa que vais adorar’.

Na altura, perguntei à miúda se ela não tinha tido curiosidade em pesquisar o que estava a consumir e ela respondeu-me que não, que isso nem lhe passou pela cabeça.

Esta geração vive tudo no momento, ‘se não fizer isto estou a perder uma coisa fantástica e não vou poder contar aos meus amigos’, ‘não vou poder ter uma história melhor do que a deles’. Têm um medo constante de estarem a perder alguma coisa que não vão recuperar se não aproveitarem naquele momento. Isso é uma coisa terrível.

O que é que o leva a continuar a escrever sobre esta temática?

Basicamente, para alertar os pais, para fazê-los sentir que têm responsabilidades. Se eu tiro a carta de condução, eu sou obrigado a ter aulas de código e a ter aulas de condução. Os pais não são obrigados a terem aulas para serem pais, mas têm uma obrigação para com os filhos que é indicar-lhes um caminho de vida, não é impor, é indicar.

Os pais têm de ler os meus livros porque precisam de perceber que a geração deles não é idêntica a esta. Por exemplo, na altura do lançamento do filme O ‘Fim da Inocência’, tinha pessoas, da própria produção do filme, que me diziam ‘ah na minha altura era a mesma coisa’. É incrível como tinha de lutar contra pessoas que estavam a fazer um filme em que não acreditavam que de facto as coisas são completamente diferentes. São tempos completamente diferentes. Se eu tenho 50 anos e passo as minhas noites no sofá não sei o que se passa, mas basta ir ao Bairro Alto e vejo que em cada esquina há um tipo a vender óculos de sol que abre a gabardina e tem lá todo o tipo de drogas. Basta irem ao Miradouro de Santa Catarina e sentirem o cheiro a erva que há lá, portanto, estes miúdos, que têm 12, 13 anos, e estão a sair pela primeira vez, ficam altamente impressionados e pensam ‘se esta gente está a tomar isto, então eu também vou tomar’.

Os pais não têm esta perceção, os pais não frequentam estes sítios e se os filhos chegam a casa com os olhos vermelhos, a primeira reação que um pai ou uma mãe tem é ‘ah, bebeu demais’ e não, não bebeu demais, se calhar tomou foi uma pastilha que lhe fez muito mal.

Como foi ver um livro seu transformar-se num filme?

Foi curioso, é uma visão diferente da minha, porque é a visão do realizador. A partir do momento em que entra nas mãos de uma engrenagem, passa do livro que foi escrito por uma pessoa só e que tinha um determinado objetivo, que tinha uma determinada narrativa, para ser um livro que tem de ser adaptado ao cinema. Quando escrevo um livro, o meu orçamento é ilimitado, posso escrever tudo e mais alguma coisa, todas as sequências que tenho na minha cabeça, posso passar para o papel, o que não pode ser feito num filme.

Mas acha que o filme foi ao encontro do objetivo do livro, ou ficou aquém?

Foram formas diferentes de chegar à mesma situação. O filme é diferente do livro, mas aquilo que me interessa é que a mensagem chegue aos pais. E acho que a mensagem chegou porque foi o filme mais visto do ano passado e foi lançado apenas duas semanas antes de o ano acabar.

Acha que pode vir a acontecer com este também?

Não sei, isso já depende de outros fatores que não dependem de mim. Acho que é uma possibilidade, mas também acho que é muito cedo ainda para pensar nisso. ‘O Fim da Inocência’ demorou sete anos a chegar ao cinema, bem sei que passámos uma crise económica grande e que não havia investimento em filmes portugueses, que é uma coisa que agora está a voltar a acontecer por isso pode até acontecer ir parar ao cinema. Aliás o filme começa com Nicolau Bryner, que tinha lido o livro, que tinha percebido que os pais não têm noção do que acontece aos filhos. Ele foi o grande impulsionador do filme ‘Fim da Inocência’. Apesar de o Nicolau ter na altura mais de 70 anos era um tipo que vivia rodeado de jovens e percebia que isto era uma realidade que acontecia e que tinha de chegar até aos pais.

Já está a pensar num quarto livro sobre esta temática?

Para já ainda não, para escrever outro livro sobre esta temática preciso de ter novidades em termos de comportamento que os adolescentes têm. Não vou escrever um livro que seja quase uma cópia daquilo que já escrevi, que não acrescenta nada. Por isso é que eu demorei oito anos entre o primeiro e este. Só lançarei outro livro sobre esta temática quando vir que há algo de novo para mostrar. 

Campo obrigatório