Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 16º

Portugal alcançou "soberania" no Espaço há 30 anos

O engenheiro Fernando Carvalho Rodrigues lembrou hoje, 30 anos após o lançamento do primeiro satélite português, que Portugal conseguiu alcançar "soberania no espaço" em 25 de setembro de 1993.

Portugal alcançou "soberania" no Espaço há 30 anos
Notícias ao Minuto

08:54 - 24/09/23 por Lusa

Tech Espaço

Há três décadas, o PoSAT-1 entrou em órbita depois de ter sido lançado no voo 59 do foguetão europeu Ariane 4 a partir do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa.

Em entrevista à agência Lusa, Carvalho Rodrigues explicou que o satélite foi um projeto industrial que servia para "cobrir o mundo todo".

"É um momento em que Portugal tinha soberania no espaço, porque fazia, por exemplo, as comunicações, incluindo 'e-mails', das nossas Forças Armadas nas (missões das) Nações Unidas por todo o mundo. Angola, Bósnia durante a guerra, Marinha e Estação Naval dos Açores", realçou.

De acordo com o físico, o PoSAT-1 foi um projeto de aprendizagem sobre "como "fazer e operar satélites".

Na altura, o projeto teve um custo de cerca de cinco milhões de euros, financiados pelo Programa Específico de Desenvolvimento da Indústria Portuguesa (PEDIP), Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação (INETI), Efacec, Alcatel, Marconi, Ogma, Universidade da Beira Interior e Cedintec.

Considerado o pai do primeiro satélite português, o professor catedrático recordou que o projeto PoSAT-1 surgiu de uma conversa com um consultor, do qual já não se recorda o nome, na Praça Luís de Camões, em Lisboa.

"Contei-lhe o que havia de poderoso industrialmente em Portugal. Havia a Efacec, havia a Alcatel, que fazia semicondutores, (...) havia a Ogma, que fazia materiais compósitos, havia a Edisoft, que fazia telecomunicações. E ele disse: Porque é que não expandem essa atividade para ir ao espaço e fazem um satélite, porque todos os componentes vocês já sabem fazer, o sistema todo é que têm de aprender?", adiantou.

E foi a partir dessa altura que Carvalho Rodrigues propôs ao antigo ministro da Indústria e Energia Mira Amaral a construção do satélite, que juntou industriais e financeiros.

"Foi nesse momento que me nasceu na cabeça a ideia", salientou.

Questionado sobre a aposta portuguesa e europeia no espaço, 30 anos depois do lançamento do PoSAT-1, o cientista afirmou que tem de haver uma reindustrialização.

"A Europa toda atrasou-se décadas relativamente a todo o resto. A Agência Espacial Europeia onde havia tanta esperança não tem um meio para colocar um astronauta no espaço", anotou.

Para o físico, apesar de algumas fragilidades no interesse pelo espaço, "Portugal tem capacidade para lançar um satélite daqui a meia dúzia de dias, desde que haja os fluxos financeiros necessários".

Sobre o futuro no espaço, Carvalho Rodrigues referiu que "a humanidade vai passar a viver numa assoalhada".

"Nós vivíamos numa palhota. (...) Uma espécie que viva só num planeta não tem futuro. Não tem. Todos os planetas acabam. Nós sabemos o suficiente e temos a biologia para fazer viagens no espaço", frisou.

Segundo Carvalho Rodrigues, Portugal "pode fazer maravilhas" no estudo da adaptação biológica do ser humano no espaço.

"Vai ser necessária. O futuro é como inventar uma nova estrada. Desde que a gente [humanidade] inventou uma estrada, construiu uma rede e o mundo passou a ser diferente", sublinhou.

Na segunda-feira, a Agência Espacial Portuguesa celebra o 30.º aniversário do lançamento do satélite com a realização da conferência "30 anos de PoSAT-1: O Passado e o futuro de Portugal no Espaço", no Auditório do Centro de Congressos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), em Lisboa.

Leia Também: Geosat pretende lançar 11 novos satélites de alta resolução até 2025

Recomendados para si

;

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório