Meteorologia

  • 18 JUNHO 2019
Tempo
19º
MIN 17º MÁX 21º

Edição

Malásia vai continuar a usar equipamentos Huawei

A Malásia vai continuar a usar os equipamentos do gigante das telecomunicações chinês Huawei "tanto quanto possível", anunciou hoje o primeiro-ministro malaio, Mahathir Mohamad.

Malásia vai continuar a usar equipamentos Huawei

A "Huawei tem um enorme avanço, mesmo sobre a tecnologia norte-americana" e "o Ocidente" deve aceitar o domínio crescente das nações asiáticas, considerou o dirigente de 93 anos, por ocasião de um fórum económico em Tóquio.

A empresa chinesa tem meios de investigação e de desenvolvimento "bem mais importantes que toda a Malásia", disse.

"Por isso, vamos tentar usar a tecnologia [da Huawei] tanto quanto possível", acrescentou.

Em vez de ameaçar os rivais, "os Estados Unidos devem aceitar a concorrência. Algumas vezes a China sairá vitoriosa, outras vezes serão os Estados Unidos", disse o governante malaio.

Em plena guerra comercial contra Pequim, a administração do Presidente norte-americano, Donald Trump, proibiu recentemente as empresas dos Estados Unidos de venderem tecnologia à Huawei, "número dois" mundial dos 'smartphones', o que coloca em risco o aprovisionamento crucial para o gigante chinês de componentes eletrónicos produzidos nos EUA.

Washington suspeita, sem até agora ter apresentado quaisquer provas, que a Huawei permite aos serviços de informações chineses de utilizar o seu material para espiar as comunicações nas redes móveis mundiais.

"Sim, talvez espiem. Mas o que há exatamente para espiar na Malásia? Somos um livro aberto", afirmou Mahathir Mohamad.

"Todos sabem que, se um país nos quiser invadir (...), nós não resistiremos, seria uma perda de tempo", concluiu.

Em abril passado, o Governo da Malásia anunciou que vai retomar um projeto de ligação ferroviária, de 668 quilómetros de comprimento, que liga a costa ocidental da Malásia aos estados rurais orientais, numa ligação essencial à iniciativa chinesa de construção de infraestruturas "Uma Faixa, Uma Rota".

O acordo foi alcançado depois de o construtor chinês ter baixado os custos, sendo agora de 44 mil milhões de ringgits (9,5 mil milhões de euros), uma descida de um terço em relação ao custo inicial de 65,5 mil milhões de ringgits.

Em agosto de 2018, Mahathir Mohamad cancelou também a construção de dois oleodutos, financiados pela China e avaliados em milhares de milhões de dólares, no final de uma visita oficial a Pequim, onde esperava renegociar os termos dos contratos, apoiados por bancos estatais chineses.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório