Meteorologia

  • 01 MARçO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 15º

"É triste". Sócrates critica "silêncio" do PS nas escutas a Galamba

Antigo primeiro-ministro critica silêncio do Partido Socialista quanto às escutas realizadas a António Costa.

"É triste". Sócrates critica "silêncio" do PS nas escutas a Galamba
Notícias ao Minuto

08:49 - 11/12/23 por Notícias ao Minuto

Política Sócrates

Num artigo de opinião publicado esta segunda-feira no Diário de Notícias, José Sócrates questiona a mudança da cultura política do Partido Socialista e o silêncio dos seus dois principais candidatos à liderança em relação às escutas de que foi alvo um dos seus ministros no âmbito da 'Operação Influencer'.

Lembrando que o socialismo sempre "recusou sacrificar as liberdades constitucionais em nome de um qualquer fim social, por mais nobre que fosse", lamenta que o partido "fundado por Mário Soares" hesite "agora sobre a importância e o significado da coragem política".

"Os socialistas portugueses nunca aceitaram trocar garantias constitucionais individuais por finalidades coletivas", afirma, referindo que "retiradas as garantias constitucionais ao cidadão, nada mais é seguro".

José Sócrates refere-se neste texto às escutas realizadas a João Galamba, ex-ministro das Infraestruturas, durante quatro anos, embora nunca se refira diretamente a ele.

"Dos dois candidatos à liderança do Partido Socialista, dizem que um é moderado e que o outro é corajoso", começa por dizer, acrescentando depois que Pedro Nuno Santos "carrega consigo essa marca maldita de independência e de atrevimento que a moderna cultura política associa ao radicalismo político" mas que nada disse sobre o assunto.

Afirmando que "o Partido Socialista parece que hesita agora sobre a importância e o significado da coragem política", Sócrates acusa também José Luís Carneiro de ser "moderado, tão moderado que a sua sensibilidade política estará sempre mais próxima do prestígio das instituições que dos direitos individuais".

"É triste, bem sei. Seja como for, é assim que estamos: um ministro socialista foi escutado durante quatro anos seguidos e, no Partido Socialista, ninguém protesta. Ninguém diz nada", atira.

Leia Também: Escutas "não comprometem" Lacerda Machado nem Costa, diz advogado

Recomendados para si

;
Campo obrigatório