Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2021
Tempo
10º
MIN 9º MÁX 15º

Edição

"António Costa andou a enganar os portugueses durante todo este tempo"

Paulo Rangel não esclarece se eleições antecipadas são o melhor para o país reforçando que "o melhor para o país era não ter havido crise política", situação cuja responsabilidade atribui "ao governo de António Costa." Sobre o encontro com Marcelo Rebelo de Sousa em Belém: "a coisa mais natural do mundo."

"António Costa andou a enganar os portugueses durante todo este tempo"

Paulo Rangel acredita que o cenário de eleições antecipadas é "altamente provável", no rescaldo do chumbo do Orçamento do Estado para 2022, na generalidade, esta quarta-feira, no plenário da Assembleia da República. O candidato à liderança do PSD sublinhou, em entrevista na RTP3, que "o grande responsável" pela crise política é "António Costa e o PS que ele lidera."

"Tendo em conta todo o panorama político, tenho muito poucas dúvidas de que ele vai conduzir a uma dissolução do parlamento e, naturalmente, à convocação de eleições legislativas antecipadas", disse o social-democrata, para quem "ficou claro, em todo este processo" que se assistiu a uma "rotura da Geringonça."

A crise política que se instalou, no seu entender, deve-se ao primeiro-ministro. "O grande responsável, se há um grande responsável pela crise política, é António Costa e o PS que ele lidera", por ter sido criada "a ilusão de que havia um diálogo possível com os partidos da extrema-esquerda e da esquerda radical", afirmou o eurodeputado, referindo-se ao PCP e ao Bloco de Esquerda.

Quando questionado sobre se o cenário de eleições antecipadas seria o melhor para o país, dadas as circunstâncias atuais, Paulo Rangel respondeu que "o melhor para o país era não ter havido crise política nesta fase", voltando a apontar o dedo: "Mas isso é responsabilidade do governo de António Costa."

"António Costa andou aqui a enganar os portugueses durante todo este tempo", disse, acrescentando que os orçamentos aprovados "ao longo destes seis anos" foram, "em muitos aspetos, prejudiciais para o país."

Recorde-se que o parlamento rejeitou a proposta de OE2022 com os votos contra do PSD, BE, PCP, CDS-PP, PEV, Chega e IL. No total, 108 deputados votaram a favor, cinco abstiveram-se e 117 votaram contra.

Na terça-feira, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, recebeu Paulo Rangel em Belém, a pedido deste último. Sobre isso, o social-democrata diz não entender o motivo da polémica criada, descrevendo o encontro como "a coisa mais natural do mundo", uma vez que apresentou candidatura à liderança do PSD e quis apresentar as suas razões ao Chefe do Estado.

"Se há alguém que é candidato à liderança do segundo maior partido e aspira a governar Portugal dentro de meses, é natural que o candidato seja recebido pelo Presidente", defendeu.

Leia Também: "Acho muito estranho que o Presidente receba um candidato à liderança"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório