Meteorologia

  • 13 JULHO 2020
Tempo
28º
MIN 23º MÁX 37º

Edição

"Palavras do primeiro-ministro não colam com a prática"

O secretário-geral do PS, António José Seguro, disse esta segunda-feira, em Lisboa, que “as palavras do primeiro-ministro não colam com a prática”, sendo que “uma coisa são as palavras, outra são os atos”. “Precisamos de políticos que façam corresponder as palavras à ação”, concluiu o líder dos ‘rosa’, comentando assim o convite de Passos Coelho para um "consenso" entre os partidos do arco da governação.

"Palavras do primeiro-ministro não colam com a prática"

“As palavras do primeiro-ministro não colam com a prática. Uma coisa são as palavras, outra são os atos”, assinalou hoje o líder socialista àmargem de uma visita à 19ª edição do Salão Internacional do Sector Alimentar e de Bebidas (SISAB), que decorre por estes dias em Lisboa, salientando que “precisamos de políticos que façam corresponder as palavras à ação”.

A título de exemplo, o secretário-geral dos ‘rosa’ referiu o caso da “lei das bases do ambiente”, em que “o Governo rejeitou a proposta do PS” e também o “acordo sobre fundos comunitários, (…) e a privatização da EGF”, que efetua o tratamento de resíduos sólidos, e cuja privatização “não estava prevista”.

Seguro abordou ainda a “concertação e o diálogo social”, apontando que o Executivo aprovou a “regulamentação dos despedimentos sem consenso de representantes dos trabalhadores”. É, portanto, um “discurso mediático que não tem correspondência com prática do Governo”, rematou.

“Não é essa a minha maneira de olhar para os problemas do país. Quando Passos Coelho faz esse apelo, está a reconhecer que milagre económico não se tem vindo a concretizar”, frisou.

O líder da oposição lembrou que “desde novembro de 2011 que o PS propôs ao Executivo renegociar o programa de ajustamento”, pedindo “mais tempo para equilibrar contas públicas de modo a que os sacrifícios tivessem sido mais suaves”. “Desde essa altura que o primeiro-ministro recusou as propostas do PS, [mas] o PS nunca faltou ao país”, concluiu António José Seguro.

Questionado sobre uma saída limpa do programa de ajustamento externo, o secretário-geral salientou que “a Europa, através dos seus principais líderes, tem vindo a perder a sua matriz fundadora, a solidariedade”, visto que “só olham para os seus interesses específicos”.

Estas palavras surgem em resposta ao primeiro-ministro Passos Coelho que recuperou esta manhã o apelo ao “consenso” entre os partidos do arco da governação.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório