Meteorologia

  • 13 ABRIL 2021
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 21º

Edição

"Candidatura do socialismo democrático é unicamente a minha"

A candidata presidencial Ana Gomes defendeu hoje que a única opção para os que se reveem no socialismo democrático é votar em si no próximo domingo, reforçando o apelo de "sobressalto cívico" feito na quinta-feira por Francisco Assis.

"Candidatura do socialismo democrático é unicamente a minha"
Notícias ao Minuto

13:37 - 22/01/21 por Lusa

Política Presidenciais

Em Viana do Castelo, onde passou a última manhã de campanha, a candidata disse ter confiança de que, no domingo, os cidadãos "se vão mobilizar para ir votar e sentir o sobressalto cívico" de que falava o antigo eurodeputado socialista no único comício da campanha, "porque está em causa defender a democracia".

Questionada se espera sentir este sobressalto nos votantes socialistas, depois de o PS não ter dado indicação de voto nestas presidenciais, Ana Gomes reafirmou que se tem sentido bem acompanhada na campanha e deixou um último apelo.

"A candidatura do socialismo democrático que está a disputar estas eleições é unicamente a minha. Quem invoca ser do partido de Mário Soares, Salgado Zenha, Maria Barroso, Manuel Alegre, Jorge Sampaio e António Guterres obviamente que tem de votar na candidata do socialismo democrático, que sou eu e não o professor Marcelo Rebelo de Sousa, que sempre se assumiu como candidato de direita", afirmou.

Ana Gomes dirigiu-se, em especial, aos que partilham "os valores da esquerda", para que se unam de forma a que sejam derrotados os que têm "projetos autoritários e de destruição de democracia", numa referência ao adversário André Ventura.

"Não queremos isso e vamos mostrá-lo no domingo com o voto", apontou.

Sobre o atual chefe de Estado e recandidato, lamentou que o desígnio que elegeu de erradicar os sem abrigo esteja ainda longe de cumprir.

"Estamos fartos de anúncios e estratégias grandiosas que depois não passam do papel", apelou.

Questionada sobre que desígnio nacional terá se for eleita para Belém, a candidata apontou "as reformas estruturais de que ao país precisa".

"Um país que cuida das pessoas e não deixa ninguém para trás e cuida dos mais vulnerais e que se reorganiza para repovoar o interior do país e que é relevante a nível europeu", apontou.

A candidata segue à tarde para Lisboa, onde terá, às 18:00, uma conversa online com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, que deveria ser a última ação desta campanha.

No entanto, ao início da tarde chegou uma adenda da agenda - uma constante numa campanha que foi sendo construída dia a dia e até hora a hora - Ana Gomes encerrará a campanha pelas 21:00, com uma conversa online com estudantes, organizada pela Associação de Estudantes de Direito e Relações Internacionais da Universidade Portucalense.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para domingo e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

A campanha eleitoral termina hoje. Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), o ex-militante do PS Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans e presidente do RIR - Reagir, Incluir, Reciclar, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

Leia Também: Sondagem ISCTE/ICS: Marcelo vence à primeira, Ana Gomes em segundo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório