Meteorologia

  • 01 JUNHO 2020
Tempo
23º
MIN 17º MÁX 28º

Edição

Dias negros na Madeira de Alberto João Jardim

O arquipélago da Madeira atravessa dias difíceis em termos políticos e económicos. Porém, esta situação parece não ser suficiente para ditar a saída de Jardim, sendo que o Presidente Regional subsiste isolado do clima de mudança, sintetiza o Público de hoje.

Dias negros na Madeira de Alberto João Jardim

Quando se fala em Madeira, associa-se logo à figura do seu Presidente, Alberto João Jardim. Ora, como escreve o Público de hoje, o social-democrata parece mesmo permanecer alheio ao que ali acontece. Isto porque, apesar da instabilidade política e social, é o líder nato daquele arquipélago.

Em termos políticos, Jardim perdeu este ano sete das 11 câmaras dominadas pelo poder ‘laranja’, o que o levou a querer executar as dívidas das autarquias contraídas pelos antecessores. Já no seio do partido, tentou expulsar o ex-Presidente da Câmara Municipal do Funchal Miguel Albuquerque, por se sentir ameaçado por este na liderança do PSD.

Mas a Madeira não viu melhores dias a nível económico. Passando pelo aumento dos casos de pobreza, pela variação negativa da riqueza, pelo decréscimo do Produto Interno Bruto (PIB), pelo aumento do êxodo de jovens e pela falência de empresas locais e ainda pela diminuição do custo da mão-de-obra, aquela região viveu um dos piores anos das últimas décadas.

O que trará 2014 ainda é uma incógnita. No entanto, sabe-se que Alberto João Jardim poderá ter que disputar as regionais de 2015 com pelo menos cinco adversários (Miguel Albuquerque, Manuel António, Miguel de Sousa, Sérgio Marques e João Cunha e Silva), situação esta que pode pôr em causa o seu ‘império’ já que os opositores exigem antecipar o congresso electivo.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório