Meteorologia

  • 06 JUNHO 2020
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Edição

PCP condena apoio do Governo a plano dos EUA para "transição democrática"

O PCP condenou hoje o apoio do governo português ao Plano de Transição Democrática para a Venezuela, proposto pelos EUA, que prevê a realização de eleições presidenciais sem Maduro nem Guaidó.

PCP condena apoio do Governo a plano dos EUA para "transição democrática"
Notícias ao Minuto

16:11 - 01/04/20 por Lusa

Política Venezuela

Para os comunistas, este apoio "coloca o governo do PS na primeira linha de uma nova escalada agressiva do imperialismo norte-americano".

Em comunicado, o PCP acusa os Estados Unidos de tentarem utilizar a situação criada com o surto da covid-19 para "vergar a resistência patriótica do povo venezuelano".

os comunistas classificam de "indigno" o apoio anunciado pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) de Portugal ao plano norte-americano, que consideram constituir "um novo e gravíssimo ato de agressão aos direitos e à soberania do povo venezuelano".

Os Estados Unidos apresentaram um Plano de Transição Democrática para a Venezuela estabelecendo que o Presidente eleito, Nicolás Maduro, e o autoproclamado Presidente interino, Juan Guaidó, se afastem para permitir que um Conselho de Estado Plural prepare a realização de eleições presidenciais nos próximos meses, tendo como contrapartida o fim das sanções económicas internacionais contra o regime de Caracas.

A reação do partido surge depois de o MNE de Portugal ter manifestado, na passada terça-feira, satisfação com o plano proposto pelos EUA, saudando esta solução política e lembrando a sua urgência, perante a crise sanitária global, provocada pela pandemia de covid-19, que está a afetar gravemente a sociedade venezuelana.

"Neste momento, mais do que nunca, é necessário ultrapassarem-se as divergências políticas, face aos enormes desafios que enfrentam todos os venezuelanos", acrescentou o ministério liderado por Augusto Santos Silva.

"O PCP condena com particular veemência este novo ato de ingerência nos assuntos internos de um país soberano e reitera a exigência de que o Governo português respeite a Constituição da República Portuguesa e não associe o nome de Portugal às operações agressivas do imperialismo, em aberto confronto com o direito internacional", vincam os comunistas.

O partido expressou a sua solidariedade para com o povo venezuelano e à comunidade portuguesa que vive no país, pedindo ao governo português "o fim imediato das ilegais e unilaterais sanções dos EUA e da UE [União Europeia] contra a Venezuela" e que o executivo não compactue com "as sanções e bloqueio económico e financeiro que tanto atingem o povo venezuelano e que os EUA se recusam a levantar".

O Governo venezuelano de Nicolas Maduro recusou na passada terça-feira o pedido dos EUA para formar um governo de transição, já a oposição, liderada por Juan Guaidó, apoiou a iniciativa norte-americana.

A crise política, económica e social, venezuelana, agravou-se desde janeiro de 2019, quando o presidente do parlamento, o opo

sitor Juan Guaidó, jurou publicamente assumir as funções de presidente interino da Venezuela, até conseguir afastar Nicolás Maduro do poder, convocar um governo de transição e eleições livres e democráticas no país.

Cerca de 60 países, incluindo Portugal, reconhecem a legitimidade do autointitulado Presidente interino, Juan Guaidó, e pedem novas eleições na sequência de uma crise política provocada pelas eleições presidenciais de 2018, em que Maduro saiu vencedor sob críticas de falta de transparência por parte da oposição.

A Venezuela atravessa uma grave crise política, económica e social que já levou milhões de cidadãos a atravessarem as fronteiras, procurando asilo nos países vizinhos.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório