Meteorologia

  • 19 NOVEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 16º

Edição

"São necessários padrões mínimos de decência nos salários de uma empresa"

José Soeiro explicou, esta sexta-feira, o projeto de lei que propõe diminuir o fosso salarial entre o valor máximo e o valor mínimo praticado pelas empresas, apresentado hoje, pelo Bloco de Esquerda, na Assembleia da República.

"São necessários padrões mínimos de decência nos salários de uma empresa"
Notícias ao Minuto

12:30 - 17/08/18 por Natacha Nunes Costa com Lusa 

Política José Soeiro

O Bloco de Esquerda apresenta esta sexta-feira, na Assembleia da República, um projeto de lei que pretende diminuir o fosso salarial entre o valor máximo e o valor mínimo praticado pelas empresas. Para explicar o objetivo desta proposta, o deputado bloquista José Soeiro deu uma conferência de imprensa no Porto.

De acordo com o parlamentar, o Bloco de Esquerda quer um leque salarial com “diferencial máximo entre remunerações mais elevadas e mais baixas” para combater as desigualdades que têm sido “um fator de indignação e são uma ofensa”.

“Estamos a falar por exemplo de algumas empresas em que a diferença entre o salário mais alto e o salário médio é de 34 vezes, como é o exemplo da EDP”, afirma José Soeiro revelando ainda que, no Grupo Pingo Doce, um empregado teria de trabalhar 20 anos de salário mínimo para auferir o que ganha o gestor dessa mesma empresa num ano.

Perante estes exemplos e depois da divulgação dos dados sobre a desigualdade de vencimentos das empresas do PSI20, o Bloco de Esquerda “não pode ficar apenas por reações de indignação” e decidiu dar passos concretos para combater a desigualdade salarial, exigindo “padrões mínimos de decência” na distribuição da riqueza e na distribuição dos salários na mesma empresa”.

E, para atingir este objetivo, José Soeiro enfatiza que é necessário combater as desigualdades de várias formas.

“Por via da política fiscal, por impostos progressivos que sejam capazes de distribuir o rendimento, impostos sobre o rendimento e impostos sobre o património, combate-se também por via da contratação coletiva, dando aos trabalhadores instrumentos para negociarem melhores trabalhos e esse é o trabalho que temos feito”, concretiza.

O BE quer ainda que as empresas com mais de 10 trabalhadores passem a ter de "divulgar o seu leque salarial", por forma a que o Governo, uma vez aplicado um "rácio para o público e para o privado", possa "exigir a aplicação da lei".

Perante a possibilidade de vir a ser considerada inconstitucional com a alegação "de que o Estado não pode interferir nas empresas privadas", José Soeiro lembrou "haver mecanismos para o caso das dívidas fiscais das empresas, que ficam inibidas, por exemplo, de participar em concursos públicos", que podem transitar para os casos de "incumprimento do rácio".

À pergunta se essa reconversão salarial nas empresas não iria acabar por as prejudicar ou acabar por ditar a saída dos gestores por recusa em baixar o seu salário, José Soeiro defendeu "não haver relação entre vencimentos principescos e a boa gestão das empresas".

Como exemplo disso, citou a "degradação do serviço postal prestado aos clientes" dos CTT que não impede Fernando Lacerda de ganhar "895 mil euros por ano, ou seja, cerca de 64 mil euros por mês".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório