Meteorologia

  • 04 MARçO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 17º

Fisioterapia e exercício físico essenciais em doentes de Parkinson

Dançar ou correr ajudam a tratar a doença de Parkinson, mas em Portugal são poucos os doentes que fazem fisioterapia, alertam especialistas que se reúnem a partir de quinta-feira, em Torres Vedras, num encontro internacional.

Fisioterapia e exercício físico essenciais em doentes de Parkinson
Notícias ao Minuto

18:56 - 24/09/14 por Lusa

País Especialista

"O acesso à fisioterapia é ainda muito limitado, porque o número de sessões é limitado e hoje sabemos que é um benefício os doentes de Parkinson manterem programas mais continuados no tempo e mais intensivos", alertou hoje o neurologista Joaquim Ferreira.

Também a fisioterapia para doentes de Parkinson requer diferenciação. Segundo o investigador da Universidade de Lisboa, "a fisioterapia que se usa para tratar doentes com problemas ortopédicos ou que tiveram Acidentes Vasculares Cerebrais não é a mesma para os doentes de Parkinson".

Fazer fisioterapia ou simplesmente atividades regulares como dança, caminhada em passo acelerado ou corrida são benéficas no tratamento de doentes de Parkinson, concluem estudos científicos, mas "a maior parte dos doentes em Portugal não faz qualquer programa de reabilitação", disse.

Em Portugal, 18 mil pessoas padecem da doença, o que coloca Portugal na média dos países europeus.

Joaquim Ferreira preside ao Comité de Educação da Sociedade Internacional da Doença de Parkinson, que organiza, em Torres Vedras, entre quinta-feira e sábado o seu segundo encontro internacional de verão, depois de a primeira edição ter sido realizada na Holanda.

Durante três dias, médicos e terapeutas na área da reabilitação física vão contactar com dez dos melhores especialistas em Parkinson a nível mundial, entre eles Olivier Rascol, que no sábado vai falar sobre metodologias a adotar no tratamento

O especialista, que é responsável da secção europeia da Sociedade Internacional da Doença de Parkinson, é um dos investigadores mais conhecidos na descoberta dos novos tratamentos para a doença.

Bastiaan Bloem, líder na investigação sobre os cuidados multidisciplinares de reabilitação no tratamento da doença e professor na Universidade Njimegen, na Holanda, vai intervir na quinta-feira sobre esse tema.

O encontro junta 40 participantes vindos de todo o mundo, que vão ter a oportunidade de treinar novas metodologias de reabilitação com doentes do Campus Neurológico Sénior, em Torres Vedras, a única clínica do país especializada no tratamento e internamento de pessoas com doenças neurológicas, entre elas o Parkinson e alzheimer, onde decorre o encontro.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório