Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
38º
MIN 18º MÁX 38º

Inquérito. Portugueses progressistas mas em risco de ceder a populismos

Os portugueses assumem-se como progressistas, defensores do ambiente e dos direitos de homossexuais e imigrantes, mas desconfiam dos políticos, criticam a qualidade da democracia e arriscam ser seduzidos por populismos de direita "num futuro próximo", segundo um inquérito.

Inquérito. Portugueses progressistas mas em risco de ceder a populismos
Notícias ao Minuto

20:56 - 25/03/24 por Lusa

País Fundação Friedrich Ebert

Apresentado hoje na Fundação Mário Soares e Maria Barroso, o estudo 'Entre Pluralismo e Populismo: Democracia, Migração e Estado Social aos olhos dos portugueses', realizado pela Fundação Friedrich Ebert em colaboração com o ISCTE, baseia-se em entrevistas telefónicas, com 1.017 inquéritos validados, e decorreu em outubro de 2023, ainda antes da queda do Governo e da marcação de eleições legislativas antecipadas.

"Salientamos expressamente que todas as conclusões apresentadas se baseiam exclusivamente nos resultados do estudo. Os desenvolvimentos políticos atuais devem ser interpretados separadamente. Neste sentido, o estudo serve apenas como base para discussões futuras. Não deve, em circunstância alguma, ser utilizado como fonte para futuras campanhas eleitorais", conclui o comunicado de imprensa que acompanha a divulgação dos resultados.

As entrevistas telefónicas revelaram que os portugueses se veem como progressistas, defensores do combate às alterações climáticas (82%), dos direitos dos filhos dos imigrantes, nomeadamente o direito à nacionalidade portuguesa se nascidos em Portugal (74%), e dos direitos dos casais homossexuais, designadamente na equiparação de direitos aos casais heterossexuais na adoção (61%), havendo ainda uma maioria de inquiridos que afirma sentir-se muito ligada à Europa (72%).

No entanto, "57 % dos portugueses querem ter prioridade sobre os imigrantes no acesso à habitação e 44 % no acesso ao emprego", refere a súmula do estudo, que acrescenta que há 26% de inquiridos que acha que os imigrantes não devem ter os mesmos direitos que os portugueses e 23% que entende que os imigrantes empobrecem a vida cultural portuguesa.

É entre os eleitores da esquerda parlamentar que mais se encontram pessoas que se declaram progressistas, já entre os de direita é onde se encontram mais críticos dos políticos e do funcionamento da democracia em Portugal, com 61,25% dos eleitores deste espetro político a declarar-se "nada satisfeito".

Segundo os resultados, a maioria acredita que "a democracia é um compromisso entre diferentes interesses e opiniões" (81%) e que uma pessoa que tem uma opinião política diferente "não é má" (72%), mas há também uma maioria que "acha que os políticos são desonestos" (66%) e que "o país precisa de um líder forte que possa decidir rapidamente sobre tudo" (62%).

"Apenas 44% rejeita o salazarismo", consta ainda das conclusões do estudo.

Os resultados mostram ainda, segundo os autores que "sobretudo os simpatizantes da direita, que parecem ser os mais insatisfeitos com o funcionamento da democracia em Portugal, correm o risco de se deixar seduzir por populistas que rejeitam o pluralismo, a ciência e a democracia representativa".

Sobre os riscos de cedência a populismos, o estudo apresenta duas conclusões aparentemente conflituantes.

Por um lado, conclui-se que os portugueses são "cosmopolitas, amam a Europa e aceitam a migração como parte da sua natureza", mas "se o Estado não se mostrar presente nas políticas públicas para melhorar as infraestruturas públicas, os populistas podem facilmente atrair eleitores".

Por outro lado, conclui-se que "os portugueses valorizam a ciência como base para decisões difíceis, o pluralismo democrático de opiniões e debates justos", pelo que "por conseguinte, não compensa ser um político populista em Portugal".

"As pessoas de esquerda confiam mais no Estado, nos partidos e nos seus políticos do que as pessoas de direita. A direita moderada arrisca-se a perder votos porque os seus apoiantes têm menos confiança na democracia", lê-se ainda nas conclusões.

Os portugueses revelaram ainda um elevado nível de valorização do papel dos sindicatos, com 69% a defender que "são precisos sindicatos fortes para proteger as condições de trabalho", mas com 75% a revelar nunca ter pertencido a um.

A participação político-partidária é também baixa, com 80% a afirmar nunca ter militado num partido.

Leia Também: PAN sonha com grupo parlamentar progressista e afasta-se da AD

Recomendados para si

;
Campo obrigatório