Meteorologia

  • 27 MAIO 2024
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 22º

Drogas? Instituto das dependências espera Governo "sensível" ao problema

O presidente do Instituto para os Comportamentos Aditivos e as Dependências (ICAD), João Goulão, espera um próximo Governo "sensível" ao problema das drogas, tema ao qual a política tem dedicado "menor atenção".

Drogas? Instituto das dependências espera Governo "sensível" ao problema
Notícias ao Minuto

14:09 - 08/03/24 por Lusa

País ICAD

Realçando que é preciso "reforçar a capacidade de resposta" ao fenómeno, o médico considera que "tem havido muito pouca intervenção sobre este tema e mesmo os programas dos diferentes partidos são muito sucintos".

Em entrevista à Lusa, João Goulão recorda que "os problemas da droga, dos comportamentos aditivos em geral, foram, em determinada altura, a primeira prioridade, até política".

Porém, depois de, no final dos anos 1990, a "enorme atenção política, investimento, facilitação de recrutamento de profissionais para trabalharem nesta área" terem resultado no "sucesso" das políticas portuguesas para lidar com o fenómeno, "aquilo que parece ter acontecido é que os responsáveis políticos, de alguma forma, se convenceram que esta era uma área que estava controlada, que não era prioritária", observa.

Destacando que as políticas para os comportamentos aditivos e as dependências não tiveram "cortes orçamentais significativos", o presidente do ICAD nota, porém, que existem "pequenas entropias" que impedem que se assumam "determinados compromissos, que tardam em ser autorizados".

O médico destaca o "empobrecimento das equipas", nomeadamente as da área do tratamento, "em muitos casos completamente carenciadas de recursos humanos".

E concretiza: "Houve decisões que impactaram a nossa capacidade de resposta, entre elas, por exemplo, a extinção do IDT [Instituto da Droga e da Toxicodependência], em 2012, na altura da intervenção da 'troika', e algumas dificuldades no recrutamento de novos profissionais ou pelo menos a não agilização de mecanismos para que isso pudesse acontecer."

O médico reconhece que o atual momento político "de um certo impasse", com a queda do Governo e a antecipação de eleições, "não facilita" a resposta. "Tem sido difícil", admite.

Mais de 10,8 milhões de portugueses são chamados a votar, no domingo, para eleger 230 deputados à Assembleia da República, numas eleições a que concorrem 18 forças políticas, 15 partidos e três coligações.

Neste contexto, João Goulão garante que o ICAD, instituto público que entrou em funcionamento a 01 de janeiro, mas que só se consubstanciará a 31 de março, com a passagem dos profissionais das ARS [Administrações Regionais de Saúde, entretanto extintas] "está a fazer os possíveis para que, no dia 01 de abril, as coisas estejam relançadas", acreditando que pode dar um "novo impulso" e criar "condições pata relançar políticas mais eficazes e respostas mais efetivas aos problemas".

Leia Também: Detido suspeito de tráfico de droga junto a escola em São Miguel

Recomendados para si

;
Campo obrigatório